quarta-feira, 2 de março de 2011

A HISTÓRIA DA LEITORA HOSANA SANTANA E SUA ENDOMETRIOSE SEVERA!!

Hoje, o A Endometriose e Eu conta a história da leitora Hosana Santana. Hosana tem 26 anos e mora em São Paulo. Ela é mais uma guerreira que sofre com a maldita da endometriose. Graças a Deus, ela tem o apoio de seu noivo e familiares. A história dela mostra como no Brasil existe tantos médicos porcarias (para não falar outra coisa). Também, pudera, em cada esquina tem faculdade de medicina. Infelizmente, é só ter dinheiro que qualquer um pode ser médico. De tanto ir a péssimos profissionais, ela desconfiou claro, sem tirar sua razão, quando encontrou um grande especialista na doença. Ainda bem que o seu noivo insistiu, porque ela não queria procurar nenhum outro especialista. Já estava cansada de ir a tantos médicos e, todos, darem diagnósticos errados. Ao pesquisar o nome do Dr. Hélio Sato na net, ela chegou até a esse blog. Olha, eu até me emocionei, quando ela disse que sem saber, eu a ajudei a ir mais tranquila em sua primeira consulta com o Dr. Hélio e, que, a minha história, fez com que ela recomeçasse a sua. A função do blog é justamente essa, ajudar mulheres a encontraraem especialistas de verdade e também a se reerguer. Porque eu também fui vítima de um ginecologista ignorante, que não acredita na doença. A história é grande, mas vale à pena ler linha por linha, para saber o quanto, nós, portadoras, sofremos até ter, de fato, o diagnóstico da doença. Ainda bem que ela não perdeu nenhum órgão. Beijos com carinho!

“Desde a minha primeira menstruação, aos 12 anos, sinto cólicas e, a cada ciclo, essas dores ficavam mais intensas. A minha visita a ginecologista (sempre mulheres, não gostava de passar com homens) é desde o primeiro ciclo, com intervalo de no máximo um ano e, a queixa, sempre foi a mesma: dores de cólicas. Porém, sempre percebi descaso com meus sintomas, cheguei a escutar frases do tipo:“é normal", ou “na adolescência é assim mesmo, quando você entrar na fase adulta melhora”, ou “quando tiver um filho passa”, entre outras. Para amenizar essas dores sempre tomava anti-inflamatório receitado por elas, mas não resolvia muito. Troquei de médica várias vezes, de remédios também, mas nada de solução ou melhora, a cada ciclo só piorava. Mal sabia que o pior ainda estava por vir. Na noite de 20 de abril de 2008, estava andando pelo shopping, quando do nada, me surgiu uma dor que eu não sabia onde começava ou terminava. Doía à perna esquerda, o abdômen e a coluna lombar, sai praticamente carregada para o hospital. Foi horrível e, o médico que me atendeu, já disse que era litíase (cálculo ou pedra no rim, ureter e bexiga), com 100% de certeza por causa dos sintomas. Ele falou que não tinha médico radiologista no local e que iria me colocar no soro. Assim ele fez, fiquei no soro a madrugada inteira, quando me liberou, disse “fique de repouso hoje, procure um especialista o quanto antes para tratar e caso volte a doer antes de passar com o especialista, nos procure”. No dia seguinte, fiquei de repouso, com uma dorzinha chata, mas até então, suportável. No outro dia fui trabalhar e não aguentei.

A dor, de novo, me fez voltar ao hospital. O médico já me colocou no soro direto, mas dessa vez, me pediu uma tomografia computadorizada. O laudo veio da seguinte forma “tumor inespecífico no polo superior renal”, como se tinha um exame de imagem né? Cheguei a acreditar que fosse, mas não olhei essas imagens. Esse médico disse a mesma coisa que o primeiro médico que me atendeu, pediu que eu procurasse um especialista. Assim fiz, marquei com o urologista, que fez questão de um ultrassom. Segundo ele, para o rim, o bom mesmo era ultrassom. Mesmo discordando porque eu já tinha uma tomografia, fiz o ultrassom e, o laudo, foi o seguinte “angiomiolipoma renal” (tumor benigno). Quando olhei as imagens da tomografia desacreditei que alguém tivesse laudado que fosse um tumor, aquilo no meu ver era um cisto. Troquei de urologista. Fui com a tomografia e o ultrassom, mas ele não entendia de imagem. Então, disse que, se os médicos tinham laudado como tumor, porque era mesmo, não tinha outro jeito, que eu tinha que aceitar a nova realidade, que eu tinha um tumor. Só que eu não aceitei, ele ficou discutindo comigo até que o convenci de pedir pelo menos outro ultrassom. O laudo do novo ultrassom foi de “litíase”. Como tinha dois ultrassons com laudos diferentes, o médico analisou pelos sintomas e quis tratar litíase. Receitou medicação para a tal da litíase que eu não tinha. Por isso, não tomei medicação nenhuma. Eu sabia que não tinha tumor e, muito menos, litíase. As dores persistiam em aparecer sempre, com mais intensidade durante os ciclos menstruais.

A ginecologista atual estava ciente, pediu ultrassom, mas não apareceu nada. Como sempre atribuiu as dores durante o ciclo, a cólicas, e disse que era para procurar um ortopedista para ver a coluna e a perna. Procurei e eu não tinha nada na parte ortopédica. Mas, as dores, continuavam lá e cada vez mais frequentes e intensas. Troquei de ginecologistas por inúmeras vezes, perdi as contas, mas nenhuma acreditava nos meus sintomas. Cheguei a questionar se não poderia ser endometriose com todas essas médicas que passei, mas algumas das respostas eram debochadas, do tipo “ocupe a mente que a dor passa” (essa me tratou como se eu fosse doida), “essas dores são gases. Quem não tem gases?”, “Quem nunca sofreu com eles? Então fofíssima, tome remédio e espere passar”, “Essas dores são cólicas, aprenda a viver com elas”, “toda mulher sente dor de cólica e nunca morreu”. Para uma médica, eu implorei por um exame de ressonância magnética, mas ela disse que, a médica era ela, e que não iria pedir exame nenhum, que eu poderia pedir para outra ginecologista porque o carimbo dela valia muito, para depois justificar com o convênio, o porquê pediu um exame tão caro apenas por causa de uma simples cólica. Nesse período, eu já tinha abandonado o trabalho para me dedicar, exclusivamnte, a procurar uma solução para a minha tortura diária. Por conta das dores, eram cada vez mais intensas, as minhas atividades ficaram comprometidas e, para piorar, a barriga inchava muito, tinha dor de cabeça todos os dias e, durante o ciclo menstrual, a perna esquerda não mexia por nada.

A frase que eu mais pronunciava era: “por favor, me deixa que estou com dor.”. Isso na maior das irritações. Até que um dia achei uma ginecologista que escutou minhas queixas com paciência e achou que eu, realmente, pudesse ter endometriose. Pediu exame de ultrassom transvaginal e o CA125 (nota da editora: exame de sangue que pode detectar a endometriose, assim como alguns tumores de mama, ovários, útero, entre outros), mas nenhuma alteração foi observada nesses exames. Por isso, ela começou a tratar as dores com anticoncepcional, mas elas não melhoraram. Cheguei a repetir esses últimos exames, mas o resultado foi o mesmo para ambos. Então, ela disse que não era nada da parte ginecológica, era para eu procurar um gastroenterologista, pois deveria ser alguma coisa no intestino. Passar por vários ginecologistas e não receber os devidos cuidados e respeito foi o pior absurdo que já vivi. Não são todos os médicos, mas muitos não sabem o que é endometriose, quais são os sintomas e o que ela causa na vida de uma paciente. Porque se soubessem, não trataria as paciente com tanto descaso. Achar ginecologista especialista em endometriose é muito difícil, muitos dizem que são, mas na realidade é apenas para enganá-la e fazer a peciente sofrer ainda mais (mais pra frente vocês entenderam o porquê).

Quem acreditou nos meus sintomas e logo foi dizendo “esses sintomas é de endometriose e eu não vou descartar que seja uma endometriose” foi o gastroenterologista. Ele pediu uma ressonância magnética do abdômen superior e da pelve. O laudo foi: “cisto renal e cistos ovarianos sugestivos de endometrioma com tecido envolvendo o ligamento útero-sacros e superfície serosa do ovário esquerdo associado a tecido endometriótico”. Aqui, foi confirmado o que eu já sabia em relação ao rim. Passei em dois urologistas para analisar a opinião deles e a resposta de ambos foi praticamente igual: que eu não deveria me preocupar com esse cisto, pois provavelmente eu tenho desde quando nasci e que o mesmo não vai interferir em nada no funcionamento do meu rim. Então, quase um ano depois, após receber diagnósticos errados e muito desrespeito, em 09 de abril de 2009, foi diagnosticado o real problema da minha dor. Quando olhei o resultado fui correndo mostrar à ginecologista, mas ela não fazia videolaparoscopia. Como foi o gastroenterologista que havia pedido o exame, resolvi mostrar para ele. Cometei que estava sem ginecologista para realizar o procedimento, e ele disse que realizava a cirurgia com uma ginecologista da equipe dele de outro hospital. Resolvi fazer com eles. A cirurgia foi realizada em 02 de julho, começou por videolaparoscopia e terminou por laparotomia (nota da editora: abertura do abdômen, cirurgia igual à de uma cesárea).

Segundo o médico, eu tinha muita aderência entre os órgãos. Graças a Deus não comprometeu o meu intestino. A recuperação foi complicada e demorada, não parava de sangrar (era hemorragia, porque fiquei assim por três meses). A ginecologista que realizou o procedimento não poderia me acompanhar, porque além de ser de outro hospital, ela não atendia ao meu convênio. Então, ele pediu para minha ginecologista passar a medicação, o Zoladex, e acompanhar o caso junto com ele. Só que a minha médica não aceitou o Zoladex como opção, resolveu passar um anticoncepcional, mas o sangramento não parava. O gastro pedia para ela receitar o Zoladex e ela insistia no anticoncepcional. Enquanto isso, eu sangrava e tinha muitas dores. Ela pediu um ultrassom e, dessa vez, foi observado que eu estava com endometriose no ovário esquerdo. Meu estresse aqui foi tão alto, que precisei fazer acompanhamento com o cardiologista, porque minha pressão ficou doida. Uma hora eu estava com hipertensão (pressão alta) e, em outras, com hipotensão (pressão baixa). Mas graças a Deus fiz todos os exames e não deu nada, foi apenas um quadro de estresse mesmo. De novo eu atrás de um ginecologista, só que dessa vez teria de ser um especialista em endometriose. A partir daqui, começa minha história com ginecologistas masculinos, pois, até então, só passava com mulheres. A essa altura a minha situação era tão crítica, que eu não queria saber se era homem ou mulher. Eu só queria me livrar das dores. Encontrei um, que disse que era, mas na realidade não era (lembram quando disse lá em cima que muitos só engam e nos fazem sofrer?). Pois bem, esse me disse que era especialista em endometriose, mas quando cheguei lá percebi que não era.

Mesmo assim ele aplicou o Zoladex 10,8 mg (tomei 2 doses, que foram injetadas em um período de três meses de uma para outra). O sangramento parou no mesmo dia. Após três meses sangrando, foi um alívio. Esse médico dizia que eu não poderia ter filhos, pois quem tem endometriose não engravida e, que se eu quisesse filhos, só por meio da FIV (Fertilização in Vitro). Detalhe, e que eu precisava fazer isso logo após passar o efeito do Zoladex. Eu já estava desesperada por causa das dores. Eu achava que não as sentiria nunca, mas na realidade elas estavam piores do que estavam antes da cirurgia. Eu já sabia que tinha foco de endometriose no ovário esquerdo. Como eu poderia fazer uma FIV com tantas dores e com tantos medos. A partir daí, passei a ser inimiga da minha própria pessoa. Os efeitos colaterais do Zoladex não são nada agradáveis, quem tomou sabe bem. Engordei 18 quilos com as duas doses. Eu não sabia que o remédio me daria tanta fome. Na primeira dose, eu comi muito, mas se alguém falasse que eu estava comendo muito, porque falavam para meu bem, eu já soltava uma resposta malcriada. Na segunda dose, eu consegui controlar, mais senti fortes dores de estômago, e passei muito mal. Eu chorava muito e por qualquer coisa, sentia vontade de desistir de tudo, tinha medo de todas as coisas e não confiava mais em nenhum médico. Quando questionava sobre as dores ao médico, ele falava que eu precisava fazer a FIV, que não tinha outro jeito.

Mas eu precisava me livrar daquelas dores horrorosas, eu tenho vontade de ser mãe, mas naquele momento eu não tinha a menor condição psicológica de pensar em filhos. Primeiro, eu precisava me libertar daquela dor, porque ela estava me maltratando. O médico disse que não realizava videolaparoscopia e que a opinião dele seria a FIV. Só que é difícil os médicos entenderem que você tem uma dor insuportável, muitos acham que é exagero. Graças a Deus eu tenho um noivo maravilhoso, ele é muito compreensivo, cuidadoso, sempre que pode me acompanha nas consultas. Nessas consultas de assuntos sobre a FIV, ele estava sempre presente. A opinião dele em relação à endometriose é igual a minha e, até hoje, é assim. O que eu decido ele me apoia. Mas em relação a não querer saber mais de ficar correndo atrás de ginecologistas, ele não concordou e foi ai que ele me chamou atenção para um fato importante: procurar a opinião de outro médico sobre a endometriose e a FIV. O importante para o meu noivo era me ver bem. Se a segunda opinião fosse igual, porque não fazer a FIV? A endometriose não afetou em nada o nosso relacionamento, ao contrário, nos uniu ainda mais. Eu não acreditava mais em nenhum médico, mas a pedido do meu noivo fui atrás de outro ginecologista. Eu liguei em vários lugares e nada de especialista em endometriose, porque quando atendia ao telefone eu não perguntava se era só especialista em endometriose, mais sim, se o médico realizava videolaparoscopia ginecológica.

De tanto ligar, eu achei um no Hospital Nipo-Brasileiro. Marquei para 04 de maio de 2010, o primeiro encontro com meu anjo. É assim que considero o meu atual ginecologista. Qual é o nome dele? Calma! Vou citar. Quando a atendente marcou e disse que eu iria passar com o dr. Hélio Sato, começou a minha busca por informações sobre ele na internet. Olha só, o que os péssimos profissionais me fizeram, desconfiar de todos os outros médicos. Foi nesta busca que cheguei a este blog, onde mesmo sem saber, a senhorita Caroline Salazar teve um papel muito importante. Até então, eu achava que só eu tinha aqueles problemas. Quando comecei a ler a história dela, fui logo me identificando em vários pontos. Aí, percebi que a minha força de vontade tinha ido dar uma voltinha e, por lá, se perdeu. Com a história da Carol, eu fiz questão de procurar a minha força de vontade. E fiz ainda mais questão, que ela voltasse para a minha vida. E, por diversas vezes, eu li e reli a história dela. Isso me fez ficar um pouco mais forte nos momentos de desespero e tristeza. Percebi que ela era paciente do dr. Hélio. Isso me passou mais segurança e fiquei um pouco mais tranquila em relação a ele.

Chegou o dia tão esperado, o da consulta. Entrei na sala totalmente insegura e com muito medo (o dr. Hélio sabe disso). Na realidade, eu estava preparada para descontar toda a minha raiva nele (tadinho!). Mas ele é um EXCELENTE profissional, muito sério, me escutou e fez algo que eu jamais imaginaria que algum médico poderia fazer. Era como se eu não soubesse que eu tinha endometriose, e como se fosse a primeira vez, que eu estava falando com alguém sobre o problema. Ele me deu uma explicação com todos os detalhes sobre a doença. A anamnese (entrevista realizada pelo profissional com o seu paciente, no qual o objetivo é relacionar fatos ao diagnóstico de uma doença) dele foi diferente. Ele não esperou que eu contasse os fatos, ele foi perguntando e eu respondendo. Geralmente, os profissionais dizem assim: “o que acontece com você?”. Ai você explica e o profissional faz algumas perguntas de acordo com o que você diz. Mas nisso, você pode não se lembrar de alguns detalhe (muito importantes), ou sentir vergonha de contar outros. Então, em outras palavras, ele faz de uma forma que não deixa a paciente constrangida. Ele foi e é muito atencioso, compreensivo, educado... Depois de tantos médicos inexperientes que passei, finalmente achei um que realmente entende de endometriose. Eu só tenho elogios a fazer desse ser humano fantástico chamado Hélio Sato. Embora fosse minha primeira consulta, os pontos foram bem positivos em relação a ele. Ele solicitou vários exames, inclusive, uma ressonância magnética de pelve. O resultado do laudo foi o seguinte: “sinais de endometriose profunda nas regiões retrocervical, tórus uterino e no fórnice vaginal posterior, acentuando processos aderencial no compartimento posterior da pelve e cisto no ovário esquerdo compatível com endometrioma”. No retorno com o dr. Hélio, ele prescreveu uma medicação para eu fazer uso por dois meses para ver se as dores diminuíam, mas foi em vão. As dores eram horríveis e, a cada dia, só piorava. O bom, é que ele acreditava nos meus sintomas, nunca fez nenhuma graça com relação às dores. Em algumas consultas, o meu olho enchia de lágrimas. Eu sei que ele percebia, mas sempre com muita calma, conversava comigo e me enchia de confiança. Como bom profissional que ele é, solicitou mais um ultrassom, onde o laudo não teve alteração. Então, ele comunicou que iria realizar uma videolaparoscopia (se dependesse de mim, já teria feito no mesmo dia, mas infelizmente a agenda dele é bem concorrida). Era 16 de agosto e a video foi marcada para o dia 28 de setembro.

No dia da cirurgia, ao contrário de muitas pessoas que fazem cirurgias, eu estava bem tranquila. Devido ao jejum, estava mal-humorada, mas louca para me livrar das malditas dores. Eu não sabia como seria o pós-anestésico dessa vez. Na primeira cirurgia, eu passei muito mal. Mas mesmo assim, estava confiante, o anestesista já sabia o que tinha acontecido e, com certeza, já iria tomar providência para um retorno mais sossegado. Por volta das 21h fui para o centro cirúrgico, e fiquei aguardando o dr. Hélio acabar outra cirurgia. Mais ou menos uns 20 minutos depois ele apareceu, como sempre, todo cheio de atenção. Ficou o tempo todo conversando comigo, e a última frase que eu escutei foi “bons sonhos, Hosana!”. Acordei sem ninguém me chamar e percebi que já estava na sala de recuperação. Lembro que a primeira coisa que fiz foi passar a mão para ver o tamanho dos curativos (queria saber se tinha sido feito só a video ou se tinha ocorrido laparotomia de novo, foi só a videolaparoscopia mesmo, ufa!). Dormia e acordava o tempo todo, não me lembro de muitas coisas, mas graças a Deus, não passei mal. O médico me liberou para voltar para o quarto por volta da 1h30 da madrugada. Minha mãe e meu noivo estavam lá me esperando. Como foi bom rever as pessoas que eu amo. Fui muito bem tratada por todas as enfermeiras. O dr. Hélio ligou pela manhã e, no final da tarde, eu recebi alta, ou seja, o tempo todo eu recebi atenção.

Sete dias após a cirurgia, retornei ao consultório do dr. Hélio. Eu estava bem e sem dores. Mas como nem tudo é perfeito, lá vem à notícia de que eu precisava tomar mais uma dose de Zoladex 10,8 mg. Eu não queria, mas por falta de opção tive de aceitar. Essa dose foi aplicada dois dias depois (estava com medo), mas não senti nada. O dr. Hélio foi muito cuidadoso, pois, nas outras doses, eu passei muito mal, senti muita dor e no local da aplicação ficou um hematoma bem feio por muitos dias. Dessa vez, foi diferente. Até nisso o dr. Hélio conseguiu ser perfeito. Por incrível que pareça, eu não senti dor e não ficou nenhum hematoma. Os efeitos colaterais do Zoladex logo surgiram, mas com menos intensidade, devido ao uso de outras medicações prescritas exatamente com o objetivo de amenizar esses efeitos. Nessa última dose engordei mais cinco quilos, ou seja, 23 quilos a mais do meu peso. Quero o meu corpo de volta e estou me esforçando para isso. Está difícil, mas vou conseguir. Durante este período, me afastei das pessoas, estou com minha autoestima baixa. Não consigo ficar escutando comentários idiotas do tipo: “nossa como você está gorda”. E, quando conto o que aconteceu, algumas pessoas logo dizem: “fulana tem endometriose e não sente nada, por que você sente?”, ou “fulana teve, fez cirurgia e está curada”, enfim, são tantos comentários sem base que me irrita só de ouví-los. No momento, não sinto dores, e o meu ciclo menstrual logo mais estará de volta. Inclusive, já estou tomando medicação para isso. O dr. Hélio está me acompanhando e orientado, então seja o que Deus quiser. Eu não sei o que ainda vem por aí, mais serei forte para enfrentar qualquer coisa com esperança e fé. Sei exatamente como são as dores e os problemas que todas passam, mas força meninas! Vamos caminhar com otimismo, um dia a cura vai chegar.
Um beijo carinhoso! Hosana Santana

43 comentários:

  1. Em determinados momentos de nossas vidas "esbarramos" em seres iluminados, pessoas que simplesmente têm o dom de fazer o nosso dia ser mais dia, entende?assim foi comigo e com todos que cercam a minha AMIGA Hosana. Acompanhei parte do sofrimento dela, porque na outra parte eu estava ocupada demais com meus problemas e minhas angústias, olhando demias pro meu próprio umbigo. Hoje tenho conhecimento de toda sua estória e de toda a sua dor, por isso estou aqui pedindo perdão pela minha ausência. Agradeço de todo o meu coração ao AMIGO Ricardo (noivo da Hosana) pelo carinho, amor e dedicação para com ela...sua mãe, irmão, familiares, amigos, Carol, Dr. Hélio Sato e principalmente à DEUS.
    Sabemos que a fé deve ser parte de nós mesmos e Deus ao perceber que ela estava sem esperanças mandou anjos especialmente pra cuidar dela...hoje tenho mais um motivo pra agradecer e mais pessoas pra amar, porque depois de tudo que fizeram pela Hosana (pessoa que amo demais)não dormirei sem antes pedir proteção e bençãos na vida de cada um que participou dessa jornada.
    Esse blog é muito importante, agradeço pela iniciativa e parabenizo pelo bem que com certeza já fez e pelo bem maior que continuará fazendo a muitos.
    Aqui vai um abraço de força para cada mulher que sofre com a mesma doença que a Hosana. Força meninas e que Deus abençõe a todas.

    Beijos Elisabeth

    ResponderExcluir
  2. Amiga querida...
    Nos reencontramos muitos anos depois na faculdade, e lá em meio a ossos descobrimos que nos conheciamos...Lembra Ho???Pois é, fiquei muito feliz naquele dia e hoje sou mais ainda, pois depois de tanto tempo ainda permanecemos amiga...
    Tomando carona nas palavras da Beth(que também amo muito)peço desculpas também por não poder ajudar da forma como gostaria, a vida as vezes toma rumos diferentes e nos impedem de algumas coisas...
    Sei da tua luta e agradeço a Deus por lhe enviar um anjo em forma de um médico, é engraçado um homem mais sensível a um problema de mulher, do que a própria mulher, mas enfim, como sempre brincamos na facul, tem gente q compra o diploma né...
    Na vida tudo tem um propósito por mais simples ou grande que seja, acho que o seu aos poucos está se mostrando...Tua experiência ajudará a outras...
    Parabéns Carol pela iniciativa, vou divulgar o blog também, obrigado por ajudar minha querida que amo tanto.
    Ho, precisando conta comigo sempre, mesmo longe...Agora q mudei...Daqui a pouquinho, vc e o Ricardo realizarão o sonho de vcs...
    Bjus..Fiquem todas com Deus

    ResponderExcluir
  3. Bety, minha amiga linda, você como sempre me deixa sem palavras né? Mais vou conseguir escrever algo que vai traduzir tudo o que você representa em minha vida. Eu te amo, pronto e basta. E mais presente em minha vida do que você impossível, não nos vemos todos os dias, não nos falamos também, mais andamos juntas no coração, no respeito, no carinho... enfim, amizade como a sua eu quero na minha vida para todo o sempre.
    Todos têm problemas, cada um com o seu, uns em maior e outros em menor intensidade, mas problemas existem na vida de todas as pessoas.
    Obrigada pelo apoio, por estar seguindo o blog e por suas palavras! Obrigada por tudo, minha amiga! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Má como poderia esquecer aquela aula de anatomia, reencontrar você e ter você presente em meu caminho até hoje me deixa muito feliz, porque pessoas como você, está ficando raro no mundo. Você é especial e eu a amo, minha amiga! Me ajudou muito procurando médicos e pegando informações de médicos das suas amigas.
    O que faz o profissional, não é a faculdade que ele estuda, nem o diploma, e sim, a dedicação que ele tem com os livros e o respeito que ele tem com o próximo. Infelizmente tem médicos que só trabalham por dinheiro e ser médico envolve muito mais que dinheiro, envolve amor, respeito, educação... Então o problema não é comprar diploma, o problema é não respeitar, não dedicar-se, não recicla-se... As doenças existem, as pesquisas para melhoria delas também, só que alguns médicos esquecem que precisam fazer aperfeiçoamento dos seus conhecimentos, enfim, param no tempo.
    O Dr. Hélio é um bom médico, porque com certeza estudou e dedica-se até hoje para honrar o seu CRM. Só conhecendo mesmo para saber o profissional exemplar que ele é.
    Má, muito obrigada pelo apoio, por estar presente conosco nessa luta, pelo incentivo e por acreditar em causas que muitos julgam perdidas!Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá, também sou portadora de endometriose e lendo alguns textos vejo a doença como o inferno na terra, mas, ao mesmo tempo, mesmo tendo passado por grandes apuros psicológicos caudados pela doença, não consigo distinguir se eu levo isso muito na boa, se estou sendo alheia à realidade da doença ou qualquer que seja a hipótese. Eu trato a endo há 10 anos. Já passei por duas videolaparoscopias, zoladex por seis meses, gracial, micronor, gestinol, exames e dores a todo momento e a incógnita sobre a possibilidade de ser mãe que me acompanha. No ano passado fiz os exames de rotina e a ultrasson deu normal. Atualmente parei de tomar os remédios pois quero engravidar, mas estou com medo: tenho sentido dores. Já fiz meus exames este ano e ainda não voltei ao médico para levar os resultados que ainda não vi também. Estou com receio de que ela esteja de volta e mais ainda porque quero ser mãe. Será que eu vou voltar ao inferno que julgava ter esquecido? Não sei. Será que vou tratar isso como um inferno? Mais do que ninguém sei das implicações, mas será que mergulhar nesse inferno ajuda? Dar importância excessiva à doença não dá força a ela? Será que tudo é tão impossível assim?
    Um abraço,
    Flávia

    ResponderExcluir
  6. Olá meninas, também já sofri muito com a endometriose e pra falar a verdade eu ainda sofro. Eu descobri a doença a 6 anos atrás e entendo tudo e o que todas sentem.
    Essa procura infinita de um especialista e a perda de tempo que isso causa, podendo até mesmo agravar o nosso quadro. Em toda minha indas e vindas da ginecologista é impressionante a falta de interesse e de informação dos ditos profissionais. Até que encontrei uma medica especializada no assunto que não perdeu tempo e me operou em 2005 por videolaparoscopia logo em seguida abriu minha barriga. Quando acordei estava tudo bem, minha recuperação foi otima. No dia seguinte ela me deu alta e como se fosse num passso de magica disse que eu deveria engravidar logo, imagine minha alegria. Tiva alta e fui para casa, na volta da consulta tive que tomar o lupron por 3 mesês, sem mestruar estava tudo bem, mais quando mestruei depois dos meses da medicação a dor foi ALUCINANTE e eu percebi que o pesadelo não tinha acabado.
    Então voltando as consultas ela me disse que a endometriose poderia ter voltado, que banho de agua fria e ainda tinha suspeita dela ter piorado e além das trompas(endosalpingiose), poderia estar no intestino.
    Fui procurar outro especialista no catete (rj)e ele me solicitou uma ressonância de pelvi onde graças a DEUS não fechou como profunda.
    Enfim, já se passou todo este tempo e eu suspendi minha mestrução, engordei uns 20 quilos e o pir de tudo é não conseguir ter filhos com 7 anos de casamento que vou fazer.
    Tenho indicação para FIV, mais verba para faze-lo não tenho. Mais creio que DEUS é DEUS de surpresas e milagres. BEIJOS a todas. DRIKA.

    ResponderExcluir
  7. Oi, meu nome é Marcia Lopes e tambem fui diagnosticada com endrometiose em 1998, e assim como vc foi uma via crucis de erros médicos. O engraçado é que o especialista foi um homem, pois até acusada de hipocondriaca eu fui por uma ginecologista, ainda bem que conheci doutor Altamir.Tenho 42 anos e há um ano entrei na menorpausa. Agora é saber se é uma sequela da endometriose ou outra coisa. Boa sorte a todas

    ResponderExcluir
  8. O meu nome é Camila e eu me identifiquei muito com tudo que vc passou, já passei por situações idênticas a você, ainda estou passando, a dois anos que descobrei que tenho endometriose e já fiz 3 videolaparoscopia e já estou com cisto de novo. Nada como um dia após o outro e temos que ter fé pq vamos encontrar uma solução para essa doença.

    ResponderExcluir
  9. Flávia, todas nós, portadoras de endometriose, passamos por esses apuros psicológicos, algumas por causa das medicações, outras pelo medo de não conseguir ser mãe, outras por não ter ajuda, por não ser compreendidas, enfim, somos torturadas dia a dia por vários motivos...
    Eu sei o que sente, é complicado, mais você precisa ser forte para ser maior do que a endometriose, para conseguir lutar pelos seus ideais. Não finja que ela não existe, aprenda à aceita-la, sei que isso é difícil, e como sei, mais quando tentamos ignorá-la, lá vem às dores para lembrar que ela está presente em nossas vidas.
    Tudo é possível quando se crê em Deus, tenha fé! A vitória virá para todas nós.
    Ficarei torcendo pela sua gravidez! Quando acontecer, venha nos contar.
    Um grande beijo.
    Hosana

    ResponderExcluir
  10. Oi, Drika! (anônimo 1)
    Pode sim agravar o quadro a demora no diagnóstico, quanto antes descobrir, melhor. Só que infelizmente, como você mesmo diz “falta de interesse e informação” dos médicos, leva as pacientes a ter consequências graves por causa da endometriose, mas eles não entendem isso. A sua 1º vídeo tem semelhança com a minha 1º vídeo. Que bom que sua recuperação foi ótima, porque a minha foi péssima.
    E no meu vê, a FIV deveria ser coberta pelos convênios quando as tentativas falhassem por causa da endometriose. O acesso a FIV no SUS deveria ser mais fácil também.
    Continue tentando a gravidez, tenha fé e não perca a esperança, o que é impossível para nós não é para Deus. Nos mantenha informadas!
    Boa sorte!
    Beijos
    Hosana

    ResponderExcluir
  11. Oi, Marcia! (anônimo 2)
    Pode ter certeza que você não é à única a ser tratada assim, muitas são tratadas como hipocondríacas (nome dado as pacientes que se acham doentes, que inventam sintomas), eu mesma fui uma, a ginecologista não disse bem na palavra hipocondríaca, a sua foi mais educada, porque a minha, já disse: “ocupe a mente que a dor passa”, gargalhando ela falou isso pra mim. Espero que seu sintoma não seja por causa da endometriose. Qualquer novidade nos conte, por favor. Toda informação é bem vinda e útil.
    Muito obrigada! Boa sorte para você também.
    Fica com Deus.
    Beijos
    Hosana

    ResponderExcluir
  12. Camila (anônimo 3) de qual cidade você é?
    Tenha força, não desista! Passei por isso, e sei bem como é não ser compreendida pelos médicos, como é achar que está tudo bem, quando na realidade não tem nada bem. Em muitas das vezes até pior do que estávamos antes da cirurgia não é mesmo? Sei que é muito difícil à incerteza do amanhã, mais precisamos superar as dificuldades para sermos felizes. Boa sorte! Qualquer coisa, estaremos aqui para ajuda-la, não é Carol?
    Fica com Deus.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Oi Camila, a Hosana está certa, estamos aqui para ajudá-la! Se vc morar em São Paulo, tenho médicos para indicá-la, tanto por convênio, quanto pelo SUS. Não desista nunca! Vc não está só. Se precisar de ajuda é só escrever para carolinesalazar7@gmail.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Carol e Hosana eu sou de Santo André-SP, gostaria sim de alguma indicação de médico para ter pelo menos mais uma avaliação. Eu estava passando na fundação Santo André fazendo um tratamento para engravidar mais não deu certo e agora estou ainda mais debilitada, psicologicamente e fisicamente. Mas não desisto nunca...só tive que adiar alguns planos...Obrigado pela atenção queridas
    Camila....

    ResponderExcluir
  15. Camila, peço que por gentileza você enviei um e-mail a Carol para ela lhe passar os contatos, pois não é bom deixar telefones expostos.
    Ela é muito atenciosa e vai responde-la o mais breve possível.
    E-mail: carolinesalazar7@gmail.com

    Beijos
    Hosana

    ResponderExcluir
  16. Oi Hosana, obrigada pela resposta... você está certa...e lendo alguns posts eu vejo que a minha endo não é das mais severas. Meus médicos já haviam me dito isso. Estou vendo que há casos muito mais graves que o meu. Hoje acordei menstruada e cheia de dores... vou observar como isso tudo evolui. às vezes tenho medo de estar ignorando algum sintoma. De não estar percebendo alguma coisa. Terça-feira vou ao meu médico ver o que os exames mostraram. E conforme os resultados, vamos lá fazer tudo de novo. Já estou acostumada, afinal são 10 anos conhecendo a doença. Ouso dizer que fora tudo o que sentimos fisicamente, o que mais pega é a falta de compreensão e a ignorância de algumas pessoas com as quais somos obrigadas a conviver. Mas se muitas vezes nem a família entende (graças a Deus não é o meu caso), porque pessoas estranhas entenderiam? Hoje, ao responder porque estava com cara de choro, ouvi um "coitada". E logo em seguida recebi minha tarefa diária de repórter de rua (sim Caroline Salazar, sou jornalista também). Da mesma pessoa, outro dia, ouvi que a medicina está muito avançada e que o que tenho não é nada. É com isso que temos que lidar diariamente. Fazer o que? Um beijo a todas.

    ResponderExcluir
  17. Oi Flávia!
    Enquanto eu achava que era a última pessoa a passar por problema difícil, me deparei com história pior que a minha, que é muito mais complicada, então aprendi a aceitar que preciso lutar e ser forte a cada amanhecer, pois existem mulheres com situação bem mais complicada e que luta anos e anos pela devolução da vida. Porque quando temos endometriose nossas vidas são roubadas não é mesmo? E só quem tem endometriose me entenderá nessa frase. Dói não apenas o corpo, mais também alma.
    Não ignore nenhum sintoma, conte tudo ao médico, isso é muito importante. E eu concordo com você em relação à ignorância das pessoas. No meu vê deveria existir campanha alertando as mulheres sobre os sintomas, distribuição de folhetos informativos sobre a doença a todas as pessoas, pois só assim acho que não passaríamos por essa ignorância absurda de quem não sabe o que fala, o pior de tudo é que até mesmo alguns médicos acha que endometriose não é nada. Não são eles que passam pelo que passamos, por isso dizem tantas palavras que nos fere.
    A medicina é avançada sim, tenho certeza que a cura vai chegar, mais enquanto ela não chega, exigimos respeito.

    Beijos

    Hosana

    ResponderExcluir
  18. Hosana, eu concordo com você...sim, deveria haver campanhas de conscientização, e que partisse do governo. Porém, se nem o governo reconhece a endo como problema de saúde pública, quem dirá se mobilizar a fazer uma campanha nacional. O ideal seria que um laboratório que desenvolva medicamentos específicos para a doença ou uma entidade relacionada à endo se mobilizassem para começar com isso... poderiam ser feitas parcerias, médicos especialistas poderiam fazer parte do processo, pacientes poderiam contar sua história... é tudo uma ação a se pensar. E nós mesmas, portadoras poderíamos nos unir para fortalecer entidades sérias que tratem do assunto. Blogs como este já fazem um grande papel nesse processo todo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. tbem tenho endometriose e nao consigo miass emagrecer. tmo o remédio GESTINOL isot me faz engordar?

    ResponderExcluir
  20. Olá, Anônimo!
    Na verdade, quando bloqueamos a menstruação, o nosso corpo retém líquido. Daí, esse líquido nos deixa mais inchada, ou seja, mais gorda. Aconselho a você procurar ajuda de uma endocrinologista. Foi isso que eu fiz, antes de entrar em menopausa induzida. Em um ano, consegui emagrecer 16 quilos. Ainda preciso emagrecer um pouco mais, mas o mais difícil jpa foi. Beijos com carinho!!

    ResponderExcluir
  21. tambem tenho endometriose e sofro muito não e só de dor a alto estima fica lá em baixo,todos os dias penso se algum dia irei me curar da minha endometriose ,infelizmente muita gente ainda não conheçe a endrometriose tem pessoas que converso e comento sobre minha endometriose e a pessoa me pergunta mais o que e endometriose ,tenho muita triste quase não comento com ninguem que tenho endometriose ,já fiz uma laparoscopia já vai fazer 3 anos ,e tenho a endometriose há 5 anos e meio ,tomo uma injeçao depro provera de 150 mg a cada 3 meses , mais penso todos os dias meu deus será que um dia vou me livre dos remedios e principalmente da endometriose,beijos a todos companheiras de endometriose.......

    ResponderExcluir
  22. Oie, Ana como vai??
    Infelizmente, ainda não há cura para a endo, mas podemos conviver muito bem com ela, desde que nós, portadoras, continuamos em tratamento. Nem mesmo a retirada de todos os órgãos reprodutores, o que é uma mutilação para a mulher, é a garantia de cura. O importante é termos fé de que, em breve, algum médico-cientista irá descubrir a cura. Eu torço muito para que a tão sonhada cura para a endo venha de um grupo brasileiro. O importante é termos qualidade de vida e, para isso, não podemos ter dor e temos que levar, ou pelo menos tentar ter, uma vida normal, como se não fóssemos portadoras de endo. A maioria das pessoas não conhece a endo, e o pior é que esses ignorantes acham que a doença não é nada. Eu tenho fé que, um dia, todos ou pelo menos a maioria das pessoas saberá o quanto a doença é grave. É muita falta de informação. No Brasil, além da população não ter educação, saúde, falta também informação. Por isso, eu digo, não perde o seu tempo com essas pessoas, porque você estará desperdiçando a sua energia. Confia em Deus, minha querida. Ele sabe o que faz. Torço para as suas dores diminuírem. Beijos com carinho!!

    ResponderExcluir
  23. muito obrigada carol beijoss

    ResponderExcluir
  24. Olá me chamo graciana ,a sua história é triste mas me conforto pois estou passando exatamente a mesma coisa,meu filho chego dize se essa história não era eu que tinha escrito.Mas meu drama ainda não acabo ,ja estou convicta de que tenho endometriose ,falta o principal achar um médico que de crédito as minha infernais dores e me de o diagnóstico necessário.Fiz uma histerectomia total e continuo igual,a benção do médico tiro meu útero trompas e deixo o ovário que é aonde tenho as piores dores sem conta que não examinou meu abdomem para confirmar endometriose pélvica.Estou desesperada a 5 meses venho trocando de médico nao aguento mais tanto remédio para dor não trabalho mais minha vida é só DOR,DOR DOR DOR.Sera que não existe profissionais que levem a sério nosso desabafo de dores,talvez seja porque são homens e não tem útero e nem ovário e não sabem a dor de ter essa dor.Abraço amiga.

    ResponderExcluir
  25. Oi Graciana!
    Como você está hoje? Espero que melhor.
    Teve um certo momento que achei que eu fosse a única a sofrer, que eu estava sozinha no mundo e com uma doença que ninguém sabia o que era e o que causava e quando sabiam ignoravam achando que tudo era simples, posso garantir que sofri muito até chegar ao dr. Hélio Sato, que é meu anjo, meu médico querido. A minha história mundou um pouco, pois depois do tratamento com o zoladex, eu fiquei grávida, minha filha está com 3 meses, logo mais já faz 4 meses, estou feliz por ela, mas triste por perceber que as dores estão voltando, nem quero acreditar que seja essa maldita endometriose denovo para tirar minha paz, como vou retornar no médico só em novembro, vou analisar os sintomas com muito cuidado para passar os detalhes para meu ginecologista.
    Em qual cidade você mora? Se for em São Paulo, podemos indicar nosso médico a você.
    Sabemos que não adianta tirar o útero se não tirar os ovários. Você precisa ter um diagnóstico preciso o quanto antes, pois ninguém merece ficar sentindo dores, não é bom, é muito ruim. Eu discordo com você, as mulheres são piores que os homens, pois passei em várias e ouvi tantos absurdos e foi um médico homem que acreditou em mim, que entendeu meu sofrimento, confiou no que dizia e me fez forte para enfrentar a endometriose de cabeça erguida. Infelizmente no Brasil são poucos profissionais especializados em endometriose, e enquanto isso, as portadoras vão sofrendo sem ter um diagnóstico, sem ter alguém que acredite em suas dores... Mas eu desejo a você de coração que você fique bem e que seja de São Paulo também, para que possamos ajudá-la com os médicos.

    Beijos, com carinho
    Hosana Santana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola carolina só agora vi sua resposta.
      Por conta dos gastos interminaveis com essa doença maldita,tivemos que cortar a internet e diminuir todos os custos possiveis.Só agora ligamos novamente.Ja se passaram tres meses da min ha cirurgia ,ja passei 9 médicos,estou agora num oncologista ja que em nosso estado nao temos nenhum ginecologista que nos de ouvidos,Não sei o que é pior se a doença ou o descaso de passar de médico em médico e se menosprezada,a ponto de dizerem que não temos nada é psicológico.Estou cheia ,cheia.A 10 dias fui induzida a uma menopauza,com medicamento chamado DANAZOL,ja tomei 16 comprimeidos e nada ,ainda estou com dores forte dia e noite,entao o que fazer pur favor me ajuda ,não temos mais da onde tirar dinheiro,e nosso casamento esta sendo afetado,pois quem quer uma mulher que vive com dores ,inútil e que só da gastos.Voce poderia me dar o nome do médico ,endereço telefone.Quanto custa consulta pode me informar?Preciso de um milagre,aguardo sua resposta urgente e obrigado amiga seu blog me ajudou a descobrir o que estava acontecendo comigo.

      Excluir
  26. Ola meninas, uma dica super importante é a acupuntura, que melhora quase 100% da dor. Sempre me ajudou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo!
      Espero que esteja tudo bem com você.
      Obrigada pela dica!
      Acupuntura é bom mesmo! Alivia bastante, mas não é todos convênios que cobre e para algumas pessoas o método acaba tornando-se caro para fazer particular.

      Que continue assim, sem dor.

      Beijos, com carinho
      Hosana Santana

      Excluir
  27. Bom dia Caroline, meu nome é Renata e fiquei emocionada com sua história e o que estou vivendo hoje é o que você passou sofro desde os meus 14 anos e esse mês de Outubro eu parei no hospital duas vezes em um dia só... Tive erro médico pois, já me submeti a uma videolaparoscopia sendo que não foi feito biópsia mas, foi constatado focos de endometriose... hoje vou pegar um resultado de uma ressonância magnética da área pelve, estou tentando engravidar há 1 anos e sete meses, descobri que estou com uma obstrução em uma das trompas, estou a procura de um especialista pois eu não só sofro fisicamente como emocionalmente... Moro no Rio de Janeiro e meu plano é Unimed será que poderia me ajudar Carol?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Renata!
      Bom dia!
      Como você está? Conseguiu pegar o resultado da RM?
      Como é ruim ficar sofrendo e indo parar em PS né? Mas espero que você encontre um anjo que cuide de você o quanto antes. Vou pedir para você enviar um e-mail para carolinesalazar7@gmail.com e solicitar a Caroline os contatos dos médicos do RJ, por favor.

      Fique bem.

      Beijos, com carinho
      Hosana Santana

      Excluir
  28. OLA,HOSANA, SOU ADRIANA MORO EM JABOATAÕ RECIFE MINHA HISTORIA E A TERRIVEL ESPERIENCIA QUE TENHO COM A ENDO,POIS NOS DUAS SOMOS MUITO INTIMAS E, É UMA INTIMIDADE QUE NÃO GOSTARIA DE TER,ALIAS NEM UMA MULHER,VOU COMTAR UM POUCO DE MINHA HISTORIA PRESCISO DESABAFAR NESSE MOMENTO ACHO QUE EMCOTREI A QUI O LUGAR CERTO, ENFIM DESDE A MINHA PRIMEIRA MESTRUAÇAO SOFRO DE COLICAS TERRIVEIS MINHA MÃE SEMPRE DIZIA QUE QUANDO CASAR IRIA PASSAR, AOS 18 ANOS MIM CASEI EEE ,AFF NUNCA PASSOU TIVE MINHA 1? FILHA E A 2 FILHA NÃO TIVE NENHUM PROBLEMA PARA ENGRAVIDAR ATE ENTÃO CONTINUAVA SENTIDO TERRIVES COLICAS MENSTRUAIS,IA SENPRE AO GINECO,FAZIA TODOS OS EXAMES E NUNCA ACUSOU NADA. AOS 30 ANOS FIZ UMA ULTRASON E DEU CISTO OVARIANO, UFA DESCOBRIR A CAUSA DAS DORES LEVEI O RESULTADO PARA O GINECO ELE DISSE QUE ERA POLICISTO QUE SEMPRE APARESE NO PERIODO MENTRUAL EM FIM ELE NÃO IRIA MEXER PRONTO TUDO DEU UM NO NOVAMENTE NA MINHA CABEÇA POIS CONTINUAVA COM AS DORES TOMANDO MUITO ANALGESICOS ASSIM PASSOU MAIS 5 ANOS NÃO AGUENTANDO MAIS FIS NOVOS AXAMES E ACUSOU QUE O CISTO TINHA CRESCIDO DESSE VEZ SO COM CIRURGIA GRAÇAS A DEUS VOU MIM LIVRA DESSAS DORES, ASIM PENSEI, FUI ENCAMINHADA PARA O IMIP AQUI DO RECIFE UM DOS MELHORES HOSPITAIS ESPECIALIZADO EM MULHERES,FIS TODOS OS EXAMAE PRE- SIRURGICO A MEDICA ACHOU MELHOR FAZER A SIRURGIA ATRAVES DA VIDEOLAPAROSCOPIA, QUANDO ACORDEI DA SIRURGIA A MEDICA VEIO, E MIM DISSE QUE EU ESTAVA UM BAGAÇO POR DENTRO MINGEN SABIA QUEM ERA UTERO,BEXIGA,OVARIO,TUDO ESTAVA UNIDO PELA ADERENCIA,E ENDOMETRIOSE, A SIRURGIA DUROU 4:30,ELA NÃO ESTAVA ESPERANDO TUDO ISSO,FOI ASSIM QUE FUI APRESENTADA A ENDO,QUANDO ACHEI QUE O PIOR TINHA ACONTECIDO,TIV QUE USAR O ZOLADEX 10.8 POR 2 VESES TIVE MAIS MEDO DE ENGORDAR DOQUE DAS REAÇÕES,PASSEI POR TUDO ENGORDEI 10 KILOS E TIVE TODAS AS REAÇOES. DEPOIS TIVE QUE USAR DIU MIRENA PARA NÃO MENSTRUAR,HOJE ESTOU COM 39 ANOS, ACREDITE NÃO MIM LIVREI DAS DORES,JA MUDEI VARIAS VEZES DE GINECO, DENTRO DO IMIP MESMO, POIS AQUI EM RECIFE NÃO HA OUTRO MELHOR. NA UTIMA CONSULTA A MEDICA PASSOU UMA RM,PORQUE ELA ACHA QUE, POSSO TER POSSIVEIS FOCOS NO INTESTINO,SINTO DORES AGORA PARA DEFECAR AFF,A MEDICA PENSA SE TIVER VOU PERDE PARTE DO INTESTINO. E FASER ESTERECTOMIA, TUDO ISSO POR CAUSA DA ENDO, QUE FIQUEI CONHECENDO MUITO TARDE POR FALTA DE PROFISSIONAIS CAPACITADOS NO ASSUNTO, QUANDO SE TRATA DA ENDO QUANTO MAIS CEDO DESCOBRE A MENSTRUAÇÃO E SUSPENDIDA, E A MENISA O SOFRIMENTO DA MULHER. AINDA VOU FASER A RM FIQUEM ORANDO POR MIM,TENHO FE EM DEUS QUE NÃO IREI PASSAR POR ESSA SIRURGIA. EMBREVE DAREI NOTICIAS. FOÇAS PARA TODAS QUE ESTÃO INTIMAS DA ENDOMETRIOSE.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adriana!
      Tudo bem?
      Sem problemas algum, pode desabafar, compartilhar, perguntar e questionar o que quiser sobre a endo. Foi para isso e muito mais que a Caroline criou o blog. Inclusive se você quiser contar sua história com a endometriose em detalhes aqui no blog, é só escrever para carolinesalazar7@gmail.com

      Então, essa intimidade com a endometriose ninguém gostaria de ter, o doença maldita que nos tira a paz e em alguns casos muito mais, pois tem mulheres que perdem emprego, marido, família, amigos e entregam-se as dores diárias por falta de opção, obvio.
      Também escutei que quando casar passa, mais de médicos, tais médicos despreparados para desconfiar da endo, no nosso país são poucos os médicos que entendem de endometriose, que preocupam-se em buscar conhecimentos e atualizações sobre a doença. O que é horrível para as mulheres, já que qualquer uma em idade reprodutiva pode vim a ter a endo, sem dia e nem hora marcada para chegar.
      Bom, estarei em oração por você e por todas as outras portadoras sempre. Boa sorte na sua RM, que Deus a proteja. E assim que tiver o resultado volte aqui para nos contar, por favor.

      Ah! Seja muito bem vinda ao blog.

      Beijos, com carinho
      Hosana Santana

      Excluir
    2. oi minha querida vou fazer amanhã uma ressonacia da pelve com contraste pra investigar endormetriose tou com muito medo do que pode ser encontrado neste exame tou rezando pra deus todo tempo vc tem alguma esperiencia pra falar pra mim

      Excluir
    3. Oi Michele!
      Tudo bem?
      Espero que seu exame não tenha alterações.
      De qual cidade/estado você é? Em São Paulo indicamos o Dr. Hélio Sato.
      Para contatos dos especialistas, por favor, enviar e-mail para carolinesalazar7@gmail.com e não esqueça de informar cidade e estado que mora.

      Que Deus á proteja sempre.

      Beijos, com carinho
      Hosana Santana

      Excluir
  29. Boa Tarde!
    A minha historia e parecida com a de todas que sofrem de endometriose, estou preste a realizar minha segunda cirúrgia.
    Tenho fé em Deus que tudo vai melhorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônima!
      Tudo bem?
      Infelizmente não é fácil ter essa doença e passar pelo que passamos. Mas vamos manter a fé em Deus que algum dia a cura vai chegar.
      Que sua cirurgia seja um sucesso! E quando estiver recuperada, por favor, volte aqui para nos contar como você está.

      Beijos, com carinho
      Hosana Santana

      Excluir
  30. olá amigas!Sou portadora de endometriose e tenho uma notícia muito triste para compartilhar com vcs,que tem sido meu único amparo nessa tragetória triste de minha vida.
    Meu casamento de 8 anos ,chegou ao fim hj,meu esposo foi embora e deixou comigo nosso filhinho de 7 anos.Qem precisa de uma esposa que só da gastos,ta sempre depressiva com dores e nao consegui mais ter relações sexuais?
    Estou em lágrimas cheia de dívidas sem saude sem apoio do estado.Só tenho Deus que tem sido meu tudo.Abraço a todas vcs minhas amigas que tem entendido minha dor ,por estarem passando por uma situação igual.

    ResponderExcluir
  31. Eu sempre sofri com cólicas,des dos 11 anos quando me formei,mas em Abril de 2007 que descobri que tinha Endométriose, fiz minha primeira cirurgia. Em julho do mesmo ano consegui engravidar,achei que meu problema estava resolvido,mas em novembro de 2011 eu descobri que continuava com endométriose,com muita luta consegui que um Médico fizese a videolaparoscopia,de lá para cá venho sofrendo com muitas dores,descobri que continuo com ela.fiz uma ressonancia magnêtica esta semana para confirmar o foco,minha médica disse que eu vou fazer outra videolaparoscopia e tenha que retirar tudo,como se tudo isto não fosse horrivél meu marido saiu de casa, estou com meu filho de 4 anos na minha casa.Eu so sei chorar e me sinto um fracaso.Li tudo o que vocêis estão passando,acho que precisava desabafar um pouco.Muito Obrigado.

    ResponderExcluir
  32. ESTA É A MINHA HISTÓRIA, IGUALZINHA, EU HJ COM 35 ANOS SEM FILHOS E COM MUITA DOR! AMANHÃ IREI EM UM CIRURGIÃO, E QUEM SABE ENFIM DÊ CERTO, POIS É MUITO SOFRIMENTO, E O PIOR, OS MÉDICOS LEVAM MAIS DE DEZ ANOS PARA FAZER SUPOSIÇÕES.... FORÇA E FÉ É QUE EU TENHO!

    ResponderExcluir
  33. Olá meu nome é Sarah. Fui diagnosticada com endometriose em 2011. Como muitas comentaram sempre tive cólicas terríveis tendo sempre que ir para um hospital tomar medicação na veia pq além das dores eu vomitava sem parar. Meu diagnóstico foi feito com base nos sintomas, pois a ultrasom nunca acusava nada além de líquidos livres e o preventivo apenas acusou uma "manchinha". Ao contar meu histórico para uma gineco (depois de passar por varias), ela diagnosticou a doença e passou gestinou afirmando que eu não poderia mais mestruar a não ser que quisesse ter filhos, ocasião em que eu teria que parar o gestinol e fazer um tratamento específico para engravidar (até hj n sei qual). Quando comecei meu tratamento umas coisas estranhas foram expelidas na minha urina (como se fossem pedaços de cartilagens um pouco ensanguentados). Logo as dores passaram e parei de vez de mestruar e ter sangramentos. No entanto depois de uns 4 meses comecei a sangrar e ter dores nas relações sexuais. Voltei na médica que me explicou que isso era normal, pois uma camada ia se acumulando no meu útero quando eu n mestruava e o útero quando era pressionado doía e sangrava. Assim ela recomendou que de 4 em 4 meses eu parasse por 7 dias o gestinol e mestruasse. Venho fazendo isso há 3 anos e até agora tá dando certo. Mas tenho medo de ficar tomando anticoncepcional por muitos anos e não conseguir engravidar quando eu quiser (tenho 25 anos). Queria saber se posso já está curada e parar um pouco esse tratamento que me fez engordar 15 quilos! Se alguém souber de algo, tiver alguma experiência do tipo... me ajudem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. endometriose não tem cura. só tratamento... cuidado. se parar de fazer o tratamento, a endometriose pode voltar em grau maior. e aí, é cirurgia... siga as indicações do médico e faça o acompanhamento.

      Excluir
  34. Meu nome é Joany....Agradeço imensamente o post da Rosana Santana, pois há apenas 2 meses fui diagnosticada com endometriose e também já havia percebido alguns erros na minha médica. Seu comentário com certeze irá encurtar minha peregrinação que está começando....Beijos e muita saúde pra todas nós....

    ResponderExcluir
  35. Nossa quanto sofrimento. Eu fui no pronto socorro uns 3 anos atras e não diagnosticaram, como a dor era pouca eu meio que me acostumei. Só que em fevereiro desse ano a dor ficou insuportável e graças a Deus fui diagnosticada pelo ginecologista plantonista do hospital nipo brasileiro. Em 2 semana fiz a ressonância magnética e em maio/2016 operei. Foram 3 meses de dores intensas. Foi um alívio a cirurgia. Quem me operou foi o cirurgião geral, pois a minha não estava no sistema reprodutor e sim no abdomem inferior. Médico Dr Marcos Henrique foi ótimo.

    ResponderExcluir