terça-feira, 21 de maio de 2013

ATÉ ONDE A DOR DA ENDOMETRIOSE PODE LEVAR UMA MULHER?

Faz alguns meses que quero contar a história da americana Kristi An Rose com sua endometriose. No mesmo momento que li, já pensei em colocá-la no blog, mas o que dizer, como dizer, se esse final não foi nem um pouco feliz. Feliz é uma palavra oculta na vida da portadora que convive diariamente com as dores incapacitantes da doença. Falo isso por minha própria experiência. Viver com dores, 24 horas do dia é um desafio que pode nos levar à loucura extrema. Eu vivi com muitas dores por 21 anos. Principalmente, se o ambiente o qual vivemos ignora ou zomba com essa dor. É preciso muita coragem para seguir em frente, é preciso ser forte mesmo sendo fraca, é preciso perseverança e muita fé para não esmorecer e se perder no meio do caminho. No meu caso, a vida sempre me enviou anjos terrenos que me ajudaram a seguir em frente e superar essas turbulências. Porém, eu nunca tive coragem de tentar contra minha própria vida. A vida é algo muito sagrada, somente Deus dá e pode tirá-la. Mas a doença nos enfraquece de tal maneira que esse pensamento nem passa pela nossa cabeça.  Acho que todos que lerem derrubará algumas lágrimas, mas é preciso mostrar a verdade. E essa verdade só pôde ser contada por conta da coragem de uma mãe. Uma mãe que quer salvar outras vidas, já que a de sua filha não pôde ser salva. Quantas vidas já não foram perdidas como a de Kristi? Até onde a dor pode nos levar? É uma dor que aprisiona, que atormenta, que lateja, que arde, que não para, que sufoca e que pode matar, sim, e nos levar ao ápice da loucura.

A maioria de nós, assim como Kristi (e eu também) ficamos felizes quando recebemos o diagnóstico. Pensamos que nosso sofrimento acabou ou que está perto do fim!? Mero engano! Para muitas, ele está apenas começando. Lembro-me bem desse meu dia, quando um anjo do outro lado do telefone disse: "Descobri o que você tem: endometriose." Se um dos principais papeis do A Endometriose e Eu é espalhar a conscientização da doença, além do reconhecimento social no país pelos nossos governantes, por que não contar uma história de final trágico, mas real, verdadeira? Quantas de nós já não ouvimos frases, como: “suas dores são psicológicas”, “você quer chamar atenção”, “não é nada, ela está com manha e precisa de colo”, dentre muitas outras.... ouvir isso de amigos e ou familiares é algo habitual, que machuca, corrói por dentro. No caso de Kristi, frases assim eram proferidas por médicos. Pois é, quem deveria escutá-las e entendê-las. Graças a Deus nenhum desses entrou em meu caminho. Ainda bem que Kristi tinha uma mãe que acreditava em tudo que ela sentia, mas isso não foi suficiente. Kristi cansou de viver no “inferno em vida”. É assim que muitas vivem. Algumas terão chances de sorrir novamente (como eu!), mas outras infelizmente não. As que sofrem com as dores incapacitantes e que são incompreendidas estão sempre ao extremo de cometer alguma loucura. Quantas brasileiras não tiveram o mesmo destino de Kristi. Eu sei de muitos casos de tentativas de suicídio. É claro que isso não é a solução. Pode ser para o corpo físico, mas não para o espiritual. É um assunto delicado, que serve de alerta para salvar vidas femininas. Foi por isso Sherill quis compartilhá-la. Não pôde salvar sua filha, mas poderá salvar outras. Eu também estou aqui para ajudar àquelas que precisarem de compreensão ou de uma palavra amiga. Beijo com carinho! Caroline Salazar

Para que mais ninguém sofra

Tradução: Alexandre Vaz
Edição: Caroline Salazar

Kisti An Rose sofria de endometriose havia 12 anos, desde 1997 até Maio de 2009, o dia em que apontou uma arma à sua cabeça e puxou o gatilho. Foi um final trágico de uma vida que tinha grandes esperanças, uma vida que deixou saudade, uma vida que poderia ter sido diferente se um maior número de profissionais da comunidade médica soubesse o quão debilitante a sua condição era, soubesse o quanto ela sofria, e quisesse levar mais a sério o caso dela, tal como descrito pela sua mãe Sherill Rose Hill.




O início do pesadelo

Na escola, Kisti era muito dada. Após concluir a graduação em Northwestern High School, ela se tornou viciada no trabalho. Ela tinha vários trabalhos e adorava o que fazia. Sempre gostou das artes, especialmente a fotografia. Mas aos 17 anos, já tinha problemas de saúde.

“ Kristi tinha dores muito fortes no abdômen durante o período menstrual. Não eram dores normais, então, eu a levei para ser observada em alguns médicos. Todos afirmaram o mesmo. Que ela era uma adolescente tentando se evidenciar para receber atenção. Mas essa não era a Kristi, ela não faria isso. Acabei levando-a para Indianápolis para ser observada pelo doutor David McLaughlin, do Women's Speciality Health Centers (Centro médico de especialidades femininas). Ele disse que imaginava saber qual era o problema. Executou uma laparoscopia na Kristi em 12 de fevereiro de 1997. O diagnóstico foi endometriose.” “Ela ficou muito feliz por saber qual era o problema que tinha no seu corpo, porque todo o mundo falava que ela estava inventando. Mas ela sabia que não era invenção.”

A endometriose ocorre quando um tecido semelhante ao que reveste o útero (designado por endométrio) se encontra fora do útero, geralmente no abdômen nos ovários, trompas de falópio e ligamentos que suportam o útero, na região entre a vagina e o reto, na parede externa do útero; e no revestimento da cavidade pélvica, de acordo com a Endometriosis Association (Associação para Endometriose).

De acordo com a Cleveland Clinic, os sintomas para a endometriose não estão limitados aos seguintes, mas incluem:
Dor extrema (ou incapacitante) durante o período menstrual. A dor fica pior com o tempo;
Dor pélvica crônica (incluindo as zonas lombar e pélvica);
Dor durante ou após o ato sexual;
Dor nos intestinos;
Movimentações dolorosas dos intestinos e micção dolorosa durante o período menstrual;
Sangramento abundante durante o período;
Pequenas perdas pré-menstruais ou sangramento entre períodos;
Infertilidade.

Alguns meses mais tarde, Kristi fez uma laparotomia microlaser para vaporizar os focos de endometriose. Pela primeira vez em anos, ela se sentiu melhor. A dor tinha passado e ela estava feliz. Tal como Sherill, sua mãe. Doía demais ver a sua filha num sofrimento tão grande. Mas então, a endometriose voltou. Os estudos mais recentes mostraram que a endometriose volta entre 20% a 40% dos casos nos primeiros cinco anos após a cirurgia, de acordo com a Cleveland Clinic. A de Kristi voltou em menos de um ano. Foi novamente operada para vaporizar mais tecido. Voltou novamente.

Em Outubro de 2000, Kristi e Sherill pegaram um vôo para Oregon, nos Estados Unidos, para consultar um especialista. Esse médico executou uma ooforectomia, removendo o seu ovário esquerdo. Descobriram que as suas trompas de falópio estavam cheias de óvulos. A endometriose impediu que eles descessem para o útero mensalmente. Alguns perguntarão por que ela não teve uma histerectomia. Segundo Sherill: “Os médicos hesitaram em fazer uma histerectomia por Kristi ser ainda tão jovem”.

Além disso, a histerectomia não é uma cura. Atualmente, não existe uma cura para a endometriose. Mesmo fazendo uma histerectomia ou removendo apenas os ovários, não é garantido que a endometriose ou seus sintomas não regressem.

Após a cirurgia em Oregon, Kristi permaneceu com dor. “Foi uma grande desilusão. Pensamos que ela ia ficar bem, e que o pesadelo ia terminar”, contou Sherill . Kristi estava com dor constantemente. Sua mãe pesquisou na internet, tentando encontrar alguém que pudesse ajudar. Em 2003, Kristi e Sherill foram para Birmingham, no Alabama, consultar um especialista no Chronic Pelvic Treatment Center (Centro de tratamento para problemas pélvicos crônicos).

“Quando chegamos lá estávamos muito esperançosas”, falou Sherill . Ao sair, trazíamos um relatório com cinco problemas diferentes. Todos eles relacionados com endometriose.” Síndrome pélvico congestivo grave, vestibulite vulvar, mialgia do assoalho pélvico, síndrome de intestinos irritáveis e pontos de pressão que despole taram dor na parede abdominal. A Kristi também sofria de fibrose intersticial grave da bexiga com formação de cistos intersticiais crônicos, uma condição da qual resulta em desconforto e dor recorrentes na bexiga e na região pélvica envolvente.

O relatório da autópsia dá uma ideia de quão invasiva era a endometriose no corpo de Kristi. Estava no seu fígado, nos seus intestinos, no rim direito. O seu ovário direito tinha múltiplos cistos com grandes “cistos chocolate” (cistos que se formam quando o tecido endometrial penetra no ovário), incluindo um que tinha estourado momentos antes de sua morte. As suas trompas de falópio continham adesões ao seu útero e parede pélvica. Tinha também múltiplas aderências fibrosas na região pélvica. “O médico que efetuou a autópsia falou que ela tanta endometriose que ele nunca tinha visto igual”, disse Sherill.

Falar que Kristi vivia com dor é abordar a questão de um jeito bem suave. Kristi acabou desistindo. Cansou de médicos, de hospitais, de dor. Em 2006, Mike Hill, marido de Sherill e padrasto de Kristi, foi diagnosticado com câncer. Sherill ficou com o coração dilacerado e dividida entre ajudar seu marido e sua filha, já que estavam ambos em sofrimento.

“Eu falei que íamos encontrar uma solução para ela”, disse Sherill. Ela acabou implorando para sua filha que aguentasse firme até que descobrissem alguém capaz de ajudar. Mas ela não tinha seguro de saúde. Sua mãe tinha de pagar por todas as despesas médicas. Kristi odiava isso. Ela era independente, queria cuidar de si mesma. Em 16 de abril de 2009 Mike Hill faleceu. “Olha bem pra ele. Está em paz. Eu adoraria estar em paz assim”, disse Kristi.

Ela estava tendo convulsões e encontrava-se praticamente acamada a essa altura. Eu estava tendo maus pressentimentos. Por esse motivo, escondi a arma que tínhamos em casa. Três dias antes de morrer, Kristi falou que já não queria mais viver assim. Que eles não sabiam como a curar. Eu implorei para ela que me deixasse procurar mais, ver quem mais poderia ajudar. Nós íamos encontrar uma solução. Mas ela rejeitou falando que eu não ia levá-la e outro médico, pois iria gastar mais dinheiro para falar que não sabia o que mais poderia fazer por ela.

Sherill ficou preocupada com sua filha. Kristi estava cada vez mais deprimida. Uma carta escrita por ela, em 4 de abril, mostra seus pensamentos: “ Estou tão cansada de dor. É suficiente para levar à loucura. Ter dor constante chega a dar vontade de desistir. Permitir ao meu corpo fragilizado que descanse. O meu corpo não aguenta mais. O meu cérebro já passou do ponto de ceder. Deus, o meu coração está quebrado.”

No dia 7 de maio de 2009, Sherill estava voltando para casa de uma curta viagem ao Kentucky e ligou para a filha. “Estou quase chegando em casa”, disse Sherill , com lágrimas correndo pelo seu rosto. Krsiti falou que queria que eu sempre  lembrasse que ela me amava muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito mãe... e continuava repetindo, muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito... Eu respondi que a amava muito, muito, muito, muito, muito, muito também.

Enquanto Sherill dirigia para casa, Kristi procurou na casa e encontrou a arma.
Saiu para o quintal atrás da casa, apontou na cabeça e puxou o gatilho.“Quando cheguei em casa a polícia estava na entrada. Não consegui estacionar o carro. Meu filho Tom estava lá também. Tenho outro filho, o Michael. O Tom tinha ido lá em casa e os vizinhos pegaram ele, falando que a sua irmã estava caída no quintal. Ele foi e segurou a Kristi. Ela não falava nada. Na hora ele só pensava que tinha que dar um jeito de remediar a situação antes do um retorno. Assim que eu parei o carro na entrada, Tom correu pra mim e me apertou com tanta força que eu mal conseguia respirar. Foi aí que ele falou que a Kristi tinha atirado em si mesma. Perguntei se ela estava viva, ele falou que sim, que os médicos estavam tentando estabilizá-la. Não me permitiram ir ao quintal, e pareceu uma eternidade o tempo que demorou para trazerem ela à ambulância. Gritei pra ela lutar com todas as suas forças, e em seguida fomos para o hospital. Não demorou muito tempo para que viessem me falar que ela não tinha resistido. Perguntei se podia vê-la, e me levaram até ela. Bastou olhar para perceber que tinha terminado para ela. Ela tinha sofrido demasiada dor, a dor era sua companhia diária. Os médicos não tinham levado a sério tanto quanto deviam e poderiam”, contou Sherill.

“Eu estive ao lado dela o tempo todo, não ia abandonar minha filha nessa hora. Fui a Greenwood onde fazem a cremação. Beijei, falei para ela e assisti enquanto a preparavam”, disse Sherill. Nesse momento Sherill desabou em lágrimas. A sua filha tinha se suicidado vinte dias após a morte de seu marido. Vinte dias após o suicídio, Sherill teve um sonho. Nele Kristi estava sorrindo, correndo livre e feliz. Não teve funeral. Ela sempre falou que queria ser cremada.

“Essa foi a única coisa que me manteve seguindo em frente, pois agora eu sei que ela não está mais com dor. Agora eu choro apenas por mim, por me sentir só e sem saber o que fazer. Não sei mesmo o que fazer agora. O que Sherill fez, junto com seus dois filhos, foi criar um fundo em memória à Kristi, com as receitas revertendo para o Centro de Pesquisa para Endometriose.

“Eu queria ajudar alguém. Para que ninguém mais tenha que viver desse jeito, gostaria que todos soubessem quanta dor ela sofreu, para que não aconteça com mais ninguém”, finaliza Sherill. 

Fonte: http://kokomoperspective.com/lifestyles/article_610f286a-e505-11de-b7fc-001cc4c002e0.html

62 comentários:

  1. Nossaaaa que historia, impossível ñ chorar!
    Viver com endometriose realmente é cansativo, que eu ñ perca a minha fé!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continue com fé querida Jackeline! Porque é ela que nos move, e que faz toda diferença em nossa vida. Quem tem fé alcança tudo! Falo por experiência própria... a minha salvou a minha vida! Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
    2. que eu não perca a fé,pois estou cansada.......

      Excluir
    3. Sim é uma história comovente. Eu também sinto dores insuportáveis, quando chega a crise da vontade de não viver. Fico a base de morfina ou codeína, e já tentei me cortar, da vontade de arrancar tudo. Também não suporto mais, porque não encontro nenhuma solução. Só dor e sofrimento!!!

      Excluir
  2. Nossa nunca imaginei que pudesse chegar a tal nível esta doença.

    ResponderExcluir
  3. Nossa eu já tive crise de dor extrema e sim já pensei em não sentir mais dor, mais graças a Deus estou melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito feliz em saber que você está melhor, querida Elaine! Continue com sua fé e perseverança. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
    2. sinto muita dor a muito tempo e nenhum medico descobria apenas diziam q era normal agora sem mais aguentar procurei novamente ajuda medica e este sim com apenas um toque me disse q com certeza to com endometriose, estou fazendo exames ainda e semana q vem vou ter a confirmação espero q não esteja muito atacada, e espero em Deus força para superar tudo isso.

      Excluir
  4. É uma história forte , mas que realmente deve ser mostrada, para que principalmente as famílias vejam que as dores da endometriose tem que ser levadas a sério.

    Sou grata a Deus por está clocando anjos na minha vida, que me ajudam a prosseguir a cada dia , apesar das lutas.

    Parabéns Carolline pelo blog, que Deus continue te sustentando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelly, minha querida! Sim, é isso mesmo. Temos de mostrar à sociedade o quanto esta doença pode ser cruel com uma mulher. Todas as pessoas têm de saber, mas principalmente nossos familiares e os médicos. Deus é maravilhoso e nunca desampara seus filhos do bem e para o bem! Obrigada por seu carinho! Continue em orações por mim. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  5. Fui diagnosticada com endometriose grau III ano passado. No começo desse ano fiz uma vídeo e agora estou fazendo uso do zoladex, por seis meses. Qdo soube do diagnóstico fiquei bem assustada e depois de me inteirar sobre o assunto fiquei ainda mais, pois não tinha noção do quão invasiva pode ser essa doença. Esse relato mostra o qto ela é debilitante e como a medicina, apesar dos avanços, ainda é neófita no assunto, infelizmente! Ah, parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônima!
      Seja muito bem-vinda ao blog! Infelizmente, nos caso mais severos é preciso o tratamento com os análogos de GnRH, mas saiba que é só uma fase e que estamos aqui para apoiá-la nesta longa jornada chamada endometriose. A maioria não sabe a real faceta da endo, somente com o passar do tempo. Vamos juntas mostrar a todos de nosso país quão debilitante e perigosa essa doença pode ser. Estamos juntas nesta luta. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  6. Realmente é uma história emocionante. Minha namorada tem endometriose, ela sempre fala que a dor é quase insuportável...nós estamos juntos há 2 anos e 9 meses e quero sempre estar do lado dela para ajudá-la no que for preciso, estou sempre com ela pra dar forças e apoiá-la, porque nós acreditamos muito que ela vai vencer e poder ficar livre disso. Parabéns pelo seu bolg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônimo!
      Seja muito bem-vindo ao blog! Agradeço muito seu comentário e saiba que aqui você poderá esclarecer suas dúvidas para ajudar ainda mais sua namorada. Parabéns por ser o namorado que é. Saiba que sua atitude faz toda diferença na vida dela. Aqui, você vai encontrar apoio também do nosso endomarido, Alexandre, na aba superior do blog. Tenho certeza que os textos dele irão elucidar muito que se passa com sua namorada e irá deixá-lo anda mais forte. E se precisar de ajuda para sua namorada é só pedir. Beijo carinhoso ao casal! Caroline Salazar

      Excluir
    2. Anônimo, você não imagina como poderá ser importante para a sua namorada ler a sua participação e interesse em algo relacionado com uma coisa tão importante como a doença e qualidade de vida dela.

      Tem ações que são fundamentais para quem está do lado de uma mulher com endometriose. Se informar direito sobre a doença, escutar ela, dar apoio na relação e em casa, sobretudo ser muito paciente.

      Para a sua namorada, descobrir que o cara que segura na mão dela, está empenhado em aprender e ajudar vai ser uma emoção enorme. Você vai descobrir que ela chora frequentemente. Umas vezes por dor, outras por frustração, tem as horas que ela chora por raiva, e algumas de alegria. Chorar liberta mais energia acumulada do que rir, é um veículo muito poderoso para as emoções. Então deixe que ela chore, apenas fale com ela e procure entender porque ela está chorando em cada momento.

      Mas faça ela rir também. Não é fácil a gente desempenhar tantos papeis, mas a verdade é que quem tem mulher com endo e fica do lado dela, acaba descobrindo o que significa ser um homem. Nem vale o esforço de tentar explicar, só passando por isso mesmo. Mas te garanto, se a maioria dos homens por aí vivessem um mẽs na nossa pele, não tinha tanta mulher reclamando.

      Infelizmente você acabou descobrindo do jeito pior, como eu e alguns dos caras que comentam aqui no blog. Te desejo muita coragem e sorte para todos nós, que surjam tratamentos mais eficazes e mais profissionais honestos e qualificados para que não tenha tanta gente sofrendo.

      Abraço

      Excluir
  7. Muito triste!!! Meu Deus olhai para todas nós portadoras de endometriose... Livra-nos desta dor insuportavel...Dei-nos força para vencer este mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,Anônima!
      Espero que você esteja bem! É muito triste mesmo, mas este relato vai salvar muitas vidas. E vamos continuar em oração por todas as 176 milhões de mulheres do mundo todo que sofrem deste mal chamado endometriose. Juntas, unidas, com fé e perseverança iremos vencer esta batalha. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  8. Fui diagnosticada com endometriose entre setembro e dezembro de 2012, no ápice da doença porém tardiamente, pois sofro desde os meus 8 anos de idade quando menstruei pela primeira vez. Nesta época tinha dores tão fortes que chegava a desmaiar, e quando minha mãe me levava a médicos, todos diziam ser normal e que em parte deveria ser um pouco de exagero meu... Bem hoje aos 38 anos luto para me sentir melhor, com a ajuda do meu marido, passei por alguns procedimentos cirúrgicos no início de março de 2013 e ao fazer os exames de revisão para minha infelicidade os focos haviam voltado e estavam maiores, minha médica abandonou meu caso, uma outra que me foi indicada sequer quis ver meus exames e me recusou como paciente, estava trabalhando e tive que me afastar. Ficar pelo INSS me assustou um pouco por conta das incertezas, fiquei sem resposta ao meu auxílio doença por 3 meses e sem nenhuma fonte financeira para custear com os medicamentos e plano a não ser o salário do meu marido que deixou o orçamento pra lá de apertado, hoje 22/01/2013 o INSS indeferiu meu pedido alegando que a doença era anterior ao meu vinculo empregatício e não incapacitante e mesmo com laudo médico que ateste o contrário me considerou apta ao trabalho sem direito a recebimento de auxílio ou salário pelo período em que supostamente me achei segurada, quero muito e peço a Deus forças todos os dias, pois ainda não desisti do sonho de ser mãe, embora a cada dia esse sonho morra um pouquinho...

    C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, C, seja bem vinda ao blog!
      Diz-me uma coisa, de qual cidade/ estado você é? Infelizmente, o diagnóstico no Brasil é muito tardio mesmo, demora em média de 8 a 12 anos, muito acima da média mundial. Eu mesma demorei 18 anos. É por isso que o blog existe, para além de chamar atenção de nossa presidente, Dilma Rousseff, para que a endo passe a ser reconhecida como uma doença social, pois só assim poderá haver um diagnóstico mais precoce da doença, para informar as mulheres sobre esta enigmática doença. Eu indico médico por convênios e também pelo SUS, em São Paulo. Se precisar de ajuda, e só escrever para carolinesalazar7@gmail.com Tenha fé e saiba que Deus nos fortalece a cada dia. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  9. Oi, Carol!
    Sim, já estou íntima.
    Acabo de conhecer o seu blog e estou gratificada em perceber que não sou fiasquenta, nem louca, nem manipuladora como muitas vezes nos taxam.
    Não sei o que fiz para merecer tal provação e lamento meu diagnóstico tardio.
    Tive a sorte de ser mãe aos 17 anos e de não me negar a essa experiência.
    Hj sou uma mulher assexuada, com dores desumanas, humor 'intenso' e 'bipolar' e fortes dificuldades de socialização.
    Nunca sei qdo a dor virá, mas sei que qdo vem não quero ninguém por perto.
    Sinto vergonha.
    Agradeço à Deus que meu problema ainda não esteja tão avançado, mas como você mesma diz, só quem convive com a doença dimensiona seu potencial destrutivo e paralisante.
    Obrigada por ter a coragem de expor seu problema e nos oportunizar esse espaço de convivência.
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Denise, querida, como vai?
      Seja bem-vinda ao blog!! Infelizmente, a maioria das pessoas, dentre elas, médicos, amigos e familiares ainda não sabem muito sobre a doença e realmente somos obrigadas e escutar esses adjetivos horrorosos, além das dores desumanas que temos. Onde você mora? Eu indico médicos por convênios em São Paulo, no Espírito santo e em uma cidade do Paraná. E também o melhor tratamento público do país, a Unifesp, em São Paulo. Eu também passei anos assexuada, e digo: as dores durante o sexo e a perda de libido têm cura. Escreva para mim que vou ajudá-la. É possível, sim, voltar a ter prazer no sexo e mais, a sentir tesão. Meu email: carolinesalazar7@gmail.com Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  10. Boa noite
    Depois de longos 5 anos de procura para descobrir uma dor que tenho de lado, descobri que e endometriose.
    Como os médicos me disseram é um caso raro, porque esta no meu figado. Gostaria de informações sobre esta doença.
    obrigada
    Sissi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Sissi, como vai?
      Seja bem-vinda ao blog! Pode ser menos comum endometriose no fígado, e os casos mais raros são em locais fora da pele e abdômen, como no pulmão, na pleura, diafragma, mas é possível sim. Diz uma coisa, vc tem convênio médico? O blog é especializado em endometriose, você pode ir em "pesquisar" e colocar a palavra que você esteja procurando. Se precisar de ajuda com médicos, tanto por convênios, quanto pelo SUS, escreva para carolinesalazar7@gmail.com que terei o maior prazer em ajudá-la. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  11. Alessandra Casseb24 de maio de 2013 01:24

    Essa mania hipócrita de falar que o que temos é exagero,que podemos aguentar mais,que é frescura,mal sabem do que essa monstra faz dentro de nós,sofro com essas dores mais fortes a 15 anos,mas pelo meu estado atual,falam que é provável que eu tenho endometriose desde quando menstruei com 13 anos,hoje tenho 34 anos.
    Como eu queria que as pessoas parecem de nos olhar como problema e tentassem nos ajudar,sem criticar e acreditando nessa dor crônica que as vezes me leva a loucura,onde eu já pensei em coisas ruins,mas sou espirita kardecista,sei que Deus não nos dá nada que não possamos aguentar,já fiz 4 cirurgias,já nao tenho mais útero,perdi parte de intestino e vagina e ovário esquerdo,ficou o direito o que fez ou ajudou com que a endometriose voltasse em meses e em uma extensão assustadora...tipo câncer,mas estou em tratamento de novo e estou com muita fé que tudo se acalmará. Fé sempre!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ale, querida!
      Acompanho seu sofrimento de perto e sei bem como você sofre. Quem não sente e ou quem nunca sentiu realmente não sabe como é, e muitos falam que é fricote nosso ou chilique mesmo. Mas saiba que nós somos guerreiras e as mulheres mais fortes deste planeta. É preciso muito cuidado quando começa a perder órgãos ou parte deles. Como você mora próximo a capital paulista, se eu fosse você viajaria até São Paulo para se consultar na Unifesp. Estarei sempre aqui quando precisar. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  12. Alessandra Casseb24 de maio de 2013 01:29

    Essa mania hipócrita de falar que o que temos é exagero,que podemos aguentar mais,que é frescura,mal sabem do que essa monstra faz dentro de nós,sofro com essas dores mais fortes a 15 anos,mas pelo meu estado atual,falam que é provável que eu tenho endometriose desde quando menstruei com 13 anos,hoje tenho 34 anos.
    Como eu queria que as pessoas parassem de nos olhar como problema e tentassem nos ajudar,sem criticar e acreditando nessa dor crônica que as vezes me leva a loucura,onde eu já pensei em coisas ruins,mas sou espirita kardecista,sei que Deus não nos dá nada que não possamos aguentar,já fiz 4 cirurgias,já nao tenho mais útero,perdi parte de intestino e vagina e ovário esquerdo,ficou o direito o que fez ou ajudou com que a endometriose voltasse em meses e em uma extensão assustadora...tipo câncer,mas estou em tratamento de novo e estou com muita fé que tudo se acalmará. Fé sempre!!!

    ResponderExcluir
  13. Meu nome é círlia,tenho 29 anos, tenho 1 filha de 7 anos e pretendo ter mais um filho, recentemente descobri que tenho endometriose nos 2 ovarios,estou muito assustada, se que essa doença apareceu dps que fiz a cesaria , pois foi só depois daique começou as dores, mas dessa ultima vez a dor veio com mais intensidade pensei que ia morrer,tenho muito medo pois tenho uma filha pra cuidar, meu esposo ta me apoiando, mais meu psicologico ta muito abalado , gostaria de saber se depois que a mestruação vai embora, ainda é normal, de vez em quando dar uma spontadas finas na pelviva e na lombar? e se vc poderia me indicar um médico que atenda a essa especialidade em manaus e que atenda o convenio bradesco saude, descobri um chamado gerson brandão, mas ele atende só unimed e particular, por favor me ajude!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cirlia. A Caroline lhe responderá com certeza, eu só pretendo duas coisas. A primeira é lhe dar muita força, já que não é de fato fácil lidar com a endometriose. A segunda é que nada na endometriose é normal. Infelizmente essa doença varia muito de caso para caso segundo o que tenho percebido do que acompanho em alguns casos e pelo que vou lendo.

      Ter medo é normal, mas no fundo você sabe que o medo no seu caso não ajuda em nada. Só complica, atrapalha e impede que você viva feliz quando a doença dá tréguas e as dores amenizam.

      É claro que está com o seu psicológico muito abalado, nem outra coisa seria de esperar. O cirurgião que operou a minha esposa falou para ela que todas as pacientes dele tinham depressão, e que num quadro desses é perfeitamente normal.

      O aconselhável seria que ambos tivessem acompanhamento de um psicólogo, possivelmente em terapia familiar. Um bom profissional ajuda a colocar as coisas em perspetiva e a manter a unidade familiar. Infelizmente esses acompanhamentos são muitas vezes caros e não são muitas as pessoas que podem pagar.

      Procurem encher as vossas vidas de coisas boas, muita alegria porque problemas já tem de sobra. Garantias ninguém tem, nem quem não tem doenças. Nós vivemos enquanto o nosso tempo durar. Façamos todos por aproveitar o máximo. Um dia que eu parta, quero saber que deixei boas recordações nas pessoas que tive o previlégio de encontrar no meu percurso.

      Excluir
    2. Olá, Cirlia! Seja muito bem-vinda ao blog!
      Estamos aqui para ajudá-la nesta longa jornada chamada endometriose. O blog é o pioneiro no mundo em retratar o cotidiano de uma endomulher. Estamos aqui para acolhê-la com muito carinho e amor. Infelizmente, eu não conheço nenhum médico em Manaus para indicar. É muito complicado indicar médicos, por isso só indico aqueles que conheço e que atendem e fazem cirurgia por convênios médicos. Em São Paulo sei de um excelente médico que faz tudo pelo seu plano. Deixe-me saber se vc quer a indicação dele. Se sim, peço que escreva para carolinesalazar7@gmail.com com o título "indicação médico por convênio SP". Fala que você falou comigo pelo blog. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  14. Nossa, que história forte e emocionante. Que não sirva de solução para nenhuma de nós leitoras desse lindo blog ok? SOMOS FORTES, Deus JAMAIS nos abandonará ou abandonou um dia. Eu creio sim que todo sofrimento que vivemos com essa terrível doença, serão revertidos em alegria e felicidade! SIM, precisamos acreditar que Deus trabalha em nossas vidas para que lá na frente a gente entenda, pq tudo precisou acontecer...não digo que Ele quer que a gente sofra, mas todas as pessoas passam por turbulências, e nós portadoras de endometriose sabemos muito bem o quantomnos custa viver sorrindo e fingindo que a dor nem é tão forte assim, afinal, difícil ter o entendimento de quem não imagina o quanto é dolorido.
    Não desistam meninas! SOMOS fortes e teremos nossa vitória! Desejo que todas encontrem ANJOS BRANCOS como eu encontrei em SP e em breve acredito que a Alice publucará minha história como otimismo para vcs...afinal, minha trajetória também não foi fácil. Mas otimismo SEMPRE meninas. Só o fato de indicármos os médicos que nos ajudaram, já é um grande ganho de temporada vcs....pois bati muito em portas erradas, que atrasaram meu diagnostico, mas em tempo de estar aqui, contando minha vitória. Bjs.
    Patricia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Patrícia, como você está?]
      Estou editando sua história e, com certeza, iriei colocá-la na seção "História das Leitoras". Infelizmente, a maioria de nós, endomulheres, sofremos e muito. Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
  15. olá caroline, que história forte eim???
    mais compeendo muito bem... infelizmente os medicos tratam a endometriose como doença de rico, cansei de ir a medicos e eles me falarem que eu tinha dor cronica e até uma certa medica, me disse que minha dor era imaginaria, que eu não tinha nada... como pode isso??? o que explicava tudo o que eu sentia??? parecia brincadeira, da primeira vez que escultei falar sobre esta doença até o meu diagnostico, foram 12 anos...anos de muito sofrimento, idas a piscicologos, ginecologistas,muitos voce não tem nada... como eu sofri com isso!!!!
    só eu e Deus sabemos, ao ler o seu blog, parece até que alguem entrou dentro de mim e me leu por completo ...hoje busco solução pro meu problema, mais a minha tristeza maior é saber que quando determinado medicos me viam , achavam que eu era fresca, e outros até me diagnosticaram com endometriose, mais na hora de fazer os exames preparativos da videolaparoscopia, vinham a surpresa de me oferecerem uma ''fiv'', mais quando eu questionava porque a fertilização, se o que mais me doi era a doença, ai a coisa muda de figura... aquele medico atencioso que voce achou que ia te ajudar a resolver, se transformava, agora meu caso já não era mais tratado como antes pois não iam me fazer pagar uma fortuna por uma fertilização... meu convenio é muito bom, mais alguns medicos, querem te levar a pagar primeiro uma fiv... mais minha prioridade é tratar a minha dor,não tenho uma vida normal,é horrivel voce toda hora reclamar que tá com dor, ter uma menstruação constrangedora, dolorida... vivo pra chorar, suas amigas não entende porque voce tem constante dor, alguns acham que voce está inventando, querendo atenção...eu não sou uma mulher tão carente assim!!! nem tão chata, que vive recusando paseios por estar com dores, ... em fim tenho tanta coisa pra contar, sobre a minha SAGA ENDOMETRIOSE ... mais fica aqui o meu agradecimento pelo blog... obrigada pelo apoio, explicações e etc... é muito bom saber que eu não sou de marte e que existem pessoas com o mesmo problema que eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anusca, querida!
      Uma história trsiet, mas real! E não podemos omitir a realidade de muitas de nós. Como jornalista sou sempre a favior da verdade. Foi isso que eu jurei na minha colação de grau na faculdade, falar sempre a verdade. Realmente, em determinados momentos a maioria de nós éramos vistas como ET's. Eu só fui a um médico desse tipo, péssimo, pra não falar mais nada... mas com a graça de Deus fui abençoada com um homem maravilhoso que nos entende, nos compreende, dá apoio e carinho até mesmo nos momentos mais frágeis que temos. Hoje estou bem, há um ano estou livre da dor, graças aos médicos maravilhosos que tenho. Algo ainda difícil de encontrar em qualquer lugar do mundo. mas com fé, esperança e perseverança é possível encontrar. Se você precisar de ajuda é só escrever para carolinesalazar7@gmail.com Beijo carinhoso! Caroline Salazar

      Excluir
    2. Olá Caroline,
      venho novamente ao seu blog relatar a parte boa da minha saga endometriose...
      depois de mais uma decepção com médicos que relatei no meu 1º comentário, encontrei um medico na internet e resolvi marcar uma consulta com ele, mais pra minha surpresa fui atendida pela mesma atendente aonde a medica me disse que eu tinha dor imaginaria, no ato da marcação achei que tinha ligado pro lugar errado...mais ai a atendente que já me conhecia a muito tempo de idas a clinica,me tranquilizou que eu seria atendida pelo diretor da clinica, na consulta ele me pediu mais uma ressonância e eu ainda muito triste, fiz, mais na hora de levar ao medico, eu queria desistir... mais um anjo me esperava na sala de espera e vendo a minha aflição e tristeza com aquela espera, resolveu conversar comigo no momento em que eu pedia meus documentos de volta e desistia da consulta... esta pessoa me relatou o quanto eu devia confiar neste medico, o quanto eu ia ficar surpresa com ele... e pra minha surpresa só paramos de conversar quando fui chamada pelo medico... pra minha surpresa ele foi super atencioso, firme e confirmou meu diagnostico, eu tinha endometriose profunda infiltrativa no intestino que eu precisava operar urgente, corria risco de romper meu intestino de tão comprometido que tava!!! mesmo com medo eu enfrentei a cirurgia e no ato eu conheci mais um anjo, que me levou a outro anjo... os doutores que me assistiu descobriram na cirurgia que meu caso tava muito avançado e retiraram parte do meu intestino e retiraram os focos de endometriose que tinha se espalhado por vários órgãos e eu estava cheia de aderências causada pela endometriose... hoje estou com 25 dias de operada, já menstruei e não senti mais cólicas...e pra minha surpresa os doutores Frederico Correia e Rômulo Medeiros foram extremamente atenciosos me deram toda a assistencia, o doutor Frederico me disponibilizou uma psicologa que me atendeu antes da cirurgia e foi super importante pra mim...estou mais que feliz!!! encontrar alguém que me tratasse com respeito e atenção, já era algo que eu não acreditava mais ao longo destes 12 anos de busca...quero aqui da mesma forma que tinha motivos pra ficar triste e falar mal de médicos, hoje tenho que agradecer a todo o carinho que fui tratada por estes anjos, me colocaram num hospital de 1º e sempre amparada e atendida a cada duvida e medo que surgem...já estou pronta pra tentar engravidar e se Deus quiser a minha benção vem completa, terei meu bebe, e ficarei livre das dores!!! Não perder a fé é imprescindível!!! sofri muito,muito, muito, mais agora estou feliz e aliviada. Fica aqui o meu muito obrigada aos Doutores Frederico Correia- Endometriose Brasilia e Rômulo Medeiros- Proctologista.
      Agora é esperar o meu bebe!!!!!
      Aliviada e Feliz.

      Excluir
  16. POR NINA: Como somos tratadas como nada. A pior parte é quando a família nos chama de frescas, quando eu gemia de dor minha vó dizia que eu queria me amostrar que era pra calar a boca que ninguém era obrigado a ouvir aquilo. As dores me deixavam mole em cima da cama, eu dava murros na pelve porque doíam muito menos que as cólicas. Quando casei a pior novidade da minha vida: Não conseguia ter relações , nunca consegui e isso acaba comigo. Também fui a vários médicos e eles nunca nos dão atenção, também já me disseram que as dores eram coisa de minha cabeça e que precisa de tratamento psicológico. Já perguntei a Deus porque eu? Colegas de trabalho nos olham como "aproveitadoras da dor" e minha chefe cortou uma gratificação do meu salário no mês em que comecei a usar o Allurene. Meu marido é a benção que não me deixa vacilar, minha luz no fim do túnel. Carol, me sinto tão desesperada pois moro no interior e não tenho acesso a serviço de fisio uro. Tenho feito massagens com meu marido para a dessenssibilização. Que vontade de gritar meu Deus, que vontade de fazer qualquer coisa pra melhorar essa tristeza que eu sinto quando vejo muitas mulheres serem felizes em seu casamento e eu não. Quando vejo tantas abortando seus bebes quando tantas sonham com isso e não conseguem. Porque é tão difícil pra mim? (lágrimas)

    ResponderExcluir
  17. eu sofro de endometriose, tenho essa dor desde ano 2000, ja passam 13 anos....mas tenho muita fé.....mas carrego muita dor no meu coração

    ResponderExcluir
  18. Minha namorada tem endometriose e quando soube, me deixou. Eu disse que lhe dava todo o meu apoio, que estaria sempre do lado dela para o que fosse preciso, mas mesmo assim ela me disse que queria se afastar de mim, que queria ficar sozinha, que não me queria magoar mais com as suas mudanças de humor, com a sua perda de apetite sexual...e que eu não merecia isso tudo.
    Disse-lhe que o meu amor por ela é tanto que eu estaria do lado dela, acontecesse o que acontecesse, que não me importava de ficar 1 ano sem relações sexuais, 1 ano aguentando suas mudanças de humor, que eu queria estar do lado dela...mas de nada serviu....! Disse que apesar de me amar imenso queria ficar sozinha neste momento e que eu não faço parte da solução deste problema, que não me queria magoar mais...!

    Sinto-me tão triste, tão impotente que não sei o que fazer. Eu amo-a demais mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,
      A sua namorada não é a única que agiu assim. Eu tenho endometriose e devido a medicação que tomo o apetite é zero e eu chamo ela de pílula do desamor. Faz 4 anos que não tenho relação sexual e consequentemente estou sem namorado. Além disso tenho que conviver com a dor constante nas regiões afetadas.

      Excluir
  19. ola, me chamo kenia tenho 26 anos e fui diagnosticada recentemente com a doença, mas venho sofrendo com as dores há mais de três anos onde sempre fui tratada como depressiva stress pois nenhum medico foi capaz de me levar a serio, passei por muitos sempre me diziam para procurar terapia pois eu deveria estar muito stressada isso causaria dores na minha barriga os enjoos que eu sentia as quedas de pressão devido as dores fortes e tremederias...recentemente troquei de gino e ela pediu um ultra vaginal que levou a suspeita da doença . passei por uma vídeo e hoje faço uso da primeira dose do zoladex e tenho sofrido com dores intensas me fazendo viver de atestados médicos pois não tenho condições físicas de me manter no trabalho. tem sido difícil conviver com o preconceito da dor, com a ignorância e falta de conhecimento das pessoas, me3 sinto culpada ,fraca e vencida pela dor que me mantem na cama a maior parte do meu dia.tenho um filho de três anos onde estou perdendo os melhores anos da vida dele pois não tenho mais disposição para nada...apenas ele me mantem forte com vontade de seguir em frente, pois todo dia me pergunto qual a finalidade de viver com tanta dor se não da pra fazer nada...os médicos que procuro me garantem que quando eu tomar a segunda dose do medicamento os sintomas vão começar a melhorar, mas a espera tem sido angustiante...eu estava na melhor fase da minha vida profissional, tinha acabado de ser promovida e hoje já não aperço no serviço tem vinte dias um atestado atrás do outro rezando para entendam que a dor é sim mais forte do que eu e não que sou mole demais...

    ResponderExcluir
  20. se a aendometriose fosse uma doença que também afeta homens garanto que o preconceito seria zero..e a divulgação seria 1000

    ResponderExcluir
  21. Tenho 18 anos e fui diagnosticada com endometriose ano passado aos 17 anos, porem reclamava de colicas fortes fazia anos os medicos diziam ser normal pela minha idade, me aplicavam uma injecao de buscopan que para mim e a mesma coisa de agua. Foi somente em 2012 aos 16 anos que eu tive uma crise que nao aguentava andar e o intervalo de minha menstruacao foi de uma semana, tomei um total de 30 medicacoes nesta seman ficando bracos, nadegas e maos roxos, nao conseguia comer estava palida e fraca, era muita dor. Apos esse episodio meus pais procuraram mais medicos e apos um ano o diagnostico, o ginecologista resolveu nao me operar por causa da minha idade e por justamente ser uma cirurgia com prazo de validade. Faco meu tratamento hormonal com gestinol 28 e diclofenaco de sodio quando a menstruacao teima em descer tomo toragesic vou no hospital. Morava em sao paulo onde recebia ajuda, carinho e compreensao de meus pais, porem ao passar em fisioterapia na UFRN tive que vir morar no Rio Grande do Norte com parentes que nao dao a minima pras minhas dores o que doi muito mas com o tempo eu aprendi a me cuidar e ignorar comentarios estupidos. Beijos e forca a nos todas :)

    ResponderExcluir
  22. Olá, tenho 33 anos, dois filhos e uma laqueadura das trompas esquerda e direita. A cerca de 6 meses fui diagnosticada com cisto no ovário esquerdo, fiz um CEA 125 que deu positivo e uma ressonância magnética. Minha médica passou anticoncepcional para ver se eu melhorava e o cisto diminuía. Com o passar do tempo piorei me sentia muito debilitada, meu ciclo menstrual aumentou de uma hora para outra e as dores começavam antes, durante e após o período menstrual, meu fluxo aumentou absurdamente. Comparo estas dores com as contrações de um parto normal. No início de janeiro deste ano voltei a minha ginecologista e conversei com ela dizendo que estava muito mal e muito debilitada, então ela passou novamente outra ultra e ressonância magnética. Então o resultado foi endometrioma no ovário esquerdo mais hidrossalpinge na trompa esquerda. Pronto a partir daí estou vivendo em sofrimento, fico neste indo e vindo a emergência para tentar controlar minhas dores. Para completar sou alérgica a medicamentos e acabo percebendo um certo receio dos médicos em me atenderem. Fiquei internada na semana que antecedia o carnaval com dores tão fortes que perdi os sentidos. Atualmente estou em casa tentando controlar as dores e tendo esses desmaios subtos até o dia da minha cirurgia que será realizada na próxima semana 17 de março. fiquei feliz pq minha médica diagnosticou logo o meu problema, mas me entristeci quando o cirurgião disse que teria que tirar o meu ovário esquerdo e a minha trompa, além de tentar queimar os focos da endometriose. Estremeci quando ele disse que a endometriose poderia voltar depois de uns cinco anos. Não desejo sentir estas dores novamente, são horríveis, além disso nossa rotina fica totalmente parada. Eu levava uma vida normal, era muito dedicada nos meus afazeres, principalmente no meu trabalho, na Igreja, com meus meus filhos.. sempre gostei de participar da rotina deles, cuidar da casa etc... agora está tudo muito difícil, tem dias que não consigo levantar da cama. Os médicos não entendem como consegui ter filhos e só agora entrei nesta crise, eles acreditam que tenho isso desde a adolescência. Acredito que Deus esteve sempre ao meu lado, pois fui privilegiada em poder ser mãe!!! Espero que a grande maioria de vcs possam ter fé e acreditar que a endometriose não impede de ter filhos, acreditem que os médicos podem sim encontrar uma forma aliviar o nosso sofrimento. Acreditem que podemos sair dessa por mais dolorido que seja. Nestas hora é muito importante estarmos ao lado das pessoas que nos amam, pois eles nos dão força e palavras de otimismo. Que Deus abençoe a todas vcs que estão passando pelo mesmo problema que eu!!!!!

    ResponderExcluir
  23. EU TAMBEM QUIS MI SEPARAR DE MEU MARIDO...PRIMEIRO PORQUE ELE NÃO ACREDITOU EM MINHAS DORES SEGUNDO PORQUE EU NÃO QUERIA PASSAR RESTO DA VIDA EXPLICANDO PORQUE NÃO SINTO VONTADE DE FAZER AMOR....POR MAIS QUE HOMEM DIS QUE ETENDE..ELE NÃO .. TENHO 20 ANOS DE CASADA SMPRE SOFRIR COM A EDOMETRIOSE A 20 ANOS SOFRENDO ;;;FIS VARIAS CIRUGIA .HOJE MEDICOS DISEM QUE NÃO PODE MAIS MI OPERAR ..AS DORES CADA DIA MAIS ISUPORTAVEIS..AGORA NESTE MOMENTO EM LAGRIMAS SÓ QUERIA DORMIR E NUCA MAIS ACORDAR ,,NÃO AGUENTO MAIS...

    ResponderExcluir
  24. nossa q historia eu tenho essa doença mais a minha so doi quando tenho relaçoes sexuias e quando estou mestruada eu ja parei no medico mais nao dava nada ai eu resolvi pesquisa e achei muito coisa sobre essa doença espero q a minha nao se espalhe tao rapido mais qual remedio e bom pra esta doença ?

    ResponderExcluir
  25. Já aconteceu com vocês de a dor ser tão intensa a ponto de perder a consciência e o sangramento forte que vive tendo anemia??

    ResponderExcluir
  26. tem vários timos de endometriose ,leve ,que só atinge útero,moderada que atinge útero e as ovários bexiga ,e a severa que tambem pode ser chamada de profunda ,atinge útero, bexiga ,intestino ,rins,e tambem relatos coluna e cólom ,e reto...

    uma doença que não tem cura ,,o tratamento e remedios faria dependendo do tipo e sintomas,,porem a primeiro remédio e metado e cortar completamente a menstruação,tomar ,remedio continuo para não menstruar..tambem existe agora o lauriene unico remedio para endometriose que é carismo...indicado apenas para alguns caso..
    eu tenho endomentriose severa ..no utero ,rins,intestino,bexiga,e região pélvica ..fis cirugia delicada ,fiquei na u.t.i.8 dias.e um mes internada,,e depois mais algumas cirugia de pouca intensidade..tive comprometimento no nervo siatico região pelvica devido cirugião de grande porte...hoje alem da dor da endo,ainda sofro com dor do nervo resentemente tive fazer outra cirugia de bloqueio siatica para tentar diminuir a dor pelo menos das costas ,..eu ja tomei varios remedios tentanto amenizar a dor,,pois sinto dores continua ,,dia e noite.. depois da cirugia sinto mais dores tiraram focos de endometriose mas fiquei com anderencias sicatrizes profundas ,sequelas,ocorida pela doença e cirugias..hoje a resonancia indica edomeniose utra uterina..que aumenta o sagramento utero...mas medico nao idica cirugia mais no meu caso,,devido as anderencias e compliçaões ,,cirugia é de risco..e podendo ficar com mais sequelas,,do que beneficio,,,remedios são muintos que ja usei para tentar diminuir a dor muintos sem suceso..uns dele foi...gabapentina,,amitriptilina,nortiptilina ,amitril,,remedios psico,,que só deicha glogue.dopada,,fora esse tramal de 6 em 6 horas de uso continuo, tilex com codeina de 30 ,mesmo assim quando tem escape ,,vo parar no hospital as dores si tornam isuportavel que nem consigo andar,,das ultimas tres vses que fui parar no hospital unico remedio que parou a dor foi dolantina ...ultimamente faço tratamento grupo de dor em sp..e melhor remedio que tomei que amenizou más foi aplictil e tramal de 6 em 6 horas,,porem ele uso prolongado vai perdendo efeito,,mas assim que começa tratamento ,,da pra respirar um pouco..hoje tomo tramal ,tilex,codeina de 30,apcitil,nortipitilina,,,o melhor remedio para cada caso só o medico indicará ,,,ajuda uma boa alimentação e uma atividade fisica,,e muinto amor,,amor familiar amigos,,e amor proprio,E DEUS pois essa doeça é terrivel,,sito desde os 15 nos,,descobriram com 30 anos..e quase foi tarde,,mas sobrevivir com varias sequelas,,..QUE DEUS ABENCOE ...DE FORÇA PRA SOBRIVER ,,CONTINUAR LUTANDO.....ESPERO TER AJUDADO EM ALGO...

    ResponderExcluir
  27. Olá, sou Tatiane tenho 37 anos, sofro com minha menstruaçao desde nova, nunca achei uma solução, cólicas fortes, excesso de menstruação, 10 dias menstruando, horrível.fiquei 9 anos sem menstruar, tomava cerazete. Mas parei com ele pq descobri que tinha intolerância, me dava muitas espinhas. Fiz acupuntura e fiquei bem. Mas depois de uma cirurgia de hérnia inguinal que deu tudo errado e precisei ser reoperada sua duas vezes comecei a sentir dores muito forte na pelve e abdome, fiz ressonância e estou com muita aderência, agora comecei a sentir dores ao evacuar e dores por baixo que parece dor na bexiga, TB dores lombares, náusea. A dor está piorando cada dia, ta me matando, não consigo explicar da onde vem pra onde vai e como é. Embora sou nova estou no climatério. Meus exames de ultrassom não acusa nada a não ser ovários diminuídos, quase falindo. Como mudei de go ela pediu uma ressonância mas isso ainda vai levar um mês. Ela acha que pode ser endometriose, e eu pesquisando tudo parece ser mesmo.To ficando louca de dor sem conseguir saber. Passo com um ótimo oncologista e gineco, espero que de certo. Não sei como proceder se vou ou não no PA, porque nunca fazem nada e volto com dor. Alguém pode me far uma ajuda e me dar mais informações?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  28. Adorei o blog. É a primeira vez que vejo relatos de mulheres passando pelo mesmo que eu.
    Vivo na Capital de Moçambique (Cidade de Maputo) e Fui diagnosticada com endometriose aos 18 anos mas tenho dor desde os 14. Tenho agora 21 anos e controlo a dor com Levenostradiol. Experimentei tanta pílula ate me encaixar nessa, mas infelizmente não medico a dois meses porque ela é rara nas farmácias de cá.
    Ano passado uma médica desaconselhou a laparoscopia por causa da minha idade, dizendo que não ia mudar em nada o meu quadro. Então estou aguentando com tanta dor e tomando analgésico quase sempre. a dor é tanta que não consigo realizar as minhas actividades do quotidiano como ir para faculdade.
    Força e fé mulheres

    ResponderExcluir
  29. Chorei, me emocionei ...
    Já não aguento tantas dores, não aguento o descaso dos médicos e a incompreensão da minha família.
    Obrigada pelo espaço e pelas tantas informações Carol.

    ResponderExcluir
  30. Nossa que triste fim😔
    Eu venho há 15 anos tentando ao menos ter certeza se é endometriose que tenho, mas nenhum! nenhum médico se deu o trabalho de me ajudar até hj!
    Incapacitante, doença... são palavras que não saem da nossa cabeça!
    É minha única tristeza em ser mulher... dor e mais dor... sempre com dor!😤😭
    Sempre, no auge das crises de dor eu achava que iria morrer, pq era uma coisa doida! Enlouquecedora de verdade, a ponto de me tornar uma pessoa "forte" pra dor... dores em outras partes do corpo eram insignificantes perto dessa...
    Pq a medicina é tão relapsa pra esse tipo de assunto????
    Só por Deus mesmo!

    ResponderExcluir
  31. Nossa que triste fim😔
    Eu venho há 15 anos tentando ao menos ter certeza se é endometriose que tenho, mas nenhum! nenhum médico se deu o trabalho de me ajudar até hj!
    Incapacitante, doença... são palavras que não saem da nossa cabeça!
    É minha única tristeza em ser mulher... dor e mais dor... sempre com dor!😤😭
    Sempre, no auge das crises de dor eu achava que iria morrer, pq era uma coisa doida! Enlouquecedora de verdade, a ponto de me tornar uma pessoa "forte" pra dor... dores em outras partes do corpo eram insignificantes perto dessa...
    Pq a medicina é tão relapsa pra esse tipo de assunto????
    Só por Deus mesmo!

    ResponderExcluir
  32. Não tenho o diagnóstico de endometriose mas todos os sintomas que sinto levam a ser essa doença.
    Começo com uma ardência no período mestrual e agora somente no período mestrual sinto dores ao evacuar e ardência para urinar as dores são muito forte mas percebo que e somente no período mestrual
    Temos que ter fé acreditar ,deus pôde mudar toda situação, busco melhorar a alimentação e fazer atividades físicas, tomar bastante chà.
    Não desista vamos lutar ,pois estamos vivos deus no deu a vida 😘😘

    ResponderExcluir
  33. tenho 22 anos e sofro com endometriose desde os meus 12 anos, sempre senti muita dor, no periodo menstrual era terrivel, sentia muita colica, tinha vomito e diarreia, passava o dia todo em cima da cama pois nao aguentava andar! Fui em varios medicos mas nunca tive uma resposta certa, apenas que era coisa da minha cabeça e que eu estava querendo chamar a atençao, poir isso me receitavam antidepressivos e me mandavam embora, fui encaminhada ate para um psiquiatria, pois falavam que eu estava ficando paranoica com essa dor, tomava varios tipos de remedios mas as dores nao passavam e a cada ciclo só pioravam, sofri durante 10 anos com isso, ate que fui ao ginecologista e ele diagnosticou endometriose, e me passou Pietra, estou em tratamento faz 6 meses, e agora neste ultimo mes as dores voltaram, entao voltei ao ginecologista, mas ele disse que é psicossomático, que na ultrasson nao tinha nada, foi bem rudi comigo, mas memso assim me passou outro tipo de remedio, sai do consultorio em prantos pois estava com dor, achei que estava enlouquecendo pois sou casada e ate meu marido fala que isso é coisa da minha cabeça, e que tenho que mudar meus pensamentos, mas sinto a dor, e pelo historico que tenho de sentir muita dor e os medicos nao saberem o porque, sempre me receitaram antidepressivos, e hj sou dependente deles, meu marido fala que é pra eu chamar a atenção dele, mas Deus sabe que nao é, que esta dor existe, e que ja esta me levando a loucura! que ja nao aguento mais sofrer com isso, e ver as pessoas falarem que é meu pscologico que nao esta bem, ate comecei tratamento psicologico por causa das dores, mas nao resolveram porque elas nao foram embora, apenas choro, choro muito, porque só Deus e eu sabe o que estou sentindo. Tenho sindrome dos ovarios policisticos, ja fiz cirurgia para retirar um cisto e apendicite que estourou, e depois disso as coisas so pioraram, pois adquiri intolerância a lactose, infecções de intestinos e de urina e muitas dores abdominais, muitas vezes ja pensei em desistir de tudo, mas Deus sempre me da forças e graças a Ele tenho uma mãe que esta do meu lado me ajudando muito pois ela tambem teve endometriose e sabe o quanto é dificil e doloroso, hj estou muito desesperada e o blog de vcs me ajudou e me aliviou, pois tenho certeza que nao estou enlouquecendo e que nao estou sozinha, pois ate o meu ginecologista duvidou de mim, meu marido tambem, pois para ele é da minha cabeça e que eu nao tenho mais nada, mas ele nao acredita em mim, e muitas vezes brigamos por isso, me sinto sozinha e perdida, espero em Deus que alguem ainda encontre a cura para esse sofrimento chamado ENDOMETRIOSE!

    ResponderExcluir
  34. Boa noite!

    Minha namorada descobriu a pouco tempo que sofre de endometriose, começou um tratamento através de um anticoncepcional. Porém houveram alguns efeitos colaterais por conta deste tratamento, ela sente sintomas de depressão, além da falta de apetite sexual, diz se sentir melhor sozinha, do que quando esta comigo, me pede pra não ir vê la. Muitas vezes não sei como agir, mas procuro estar forte, pelo menos passar isso a ela. Tenho lido bastante sobre o assunto, procurado entender pra estar sempre melhorando, mas muitas vezes me sinto mal. Se houver algum conselho que possa me dar, ações que possam melhorar essa situação, estarei sempre disposto a tentar.

    ResponderExcluir
  35. Boa noite!

    Minha namorada descobriu a pouco tempo que sofre de endometriose, começou um tratamento através de um anticoncepcional. Porém houveram alguns efeitos colaterais por conta deste tratamento, ela sente sintomas de depressão, além da falta de apetite sexual, diz se sentir melhor sozinha, do que quando esta comigo, me pede pra não ir vê la. Muitas vezes não sei como agir, mas procuro estar forte, pelo menos passar isso a ela. Tenho lido bastante sobre o assunto, procurado entender pra estar sempre melhorando, mas muitas vezes me sinto mal. Se houver algum conselho que possa me dar, ações que possam melhorar essa situação, estarei sempre disposto a tentar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yan Carinho Amor e compreensão é disso que ela precisa. As preliminares ajudam na libido da mulher .Não desista e acredite na força do amor de vocês!

      Excluir
  36. descobri há pouco mais de 1 mes que tenho endometriose .As dores me dão uma tristeza muito grande fora a quantidade de analgesico que já tomei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo isso é muito deprimente principalmente porque para meu esposo isso não é nada de grande importância.

      Excluir
  37. Fico feliz por vc ajuda outras pessoas dando um pouco de si

    ResponderExcluir
  38. Emocionante e chocante o relato....sofro muito com essa doença....ja fiz videolaparoscopia em 2013 e pensei que nunca mais sofreria... hoje voltou as terríveis dores.... Fiz uma ressonancia magnetica e ficou identificado lesões no fígado e presença de nódulos no fígudo e presença de líquido.... ainda não passei no medico somente dia 06/01/2017, mas ..... nunca ouvi falar...a endometriose alcança o fígado?

    ResponderExcluir
  39. TENHO 41 ANOS,MEU NOME É DORCAS, CASADA, MÃE DE DOIS FILHOS, MEU CAÇULA TEM 17 ANOS, SEMPRE TIVE MUITAS COLICAS, DESDE A PRIMEIRA MENSTRUAÇÃO AOS 14 ANOS, O FLUXO MUITO INTENSO, FICAVA NO MÍNIMO 7 DIAS MENSTRUADA, CHEGUEI A DESMAIAR DE TANTA DOR VARIAS VEZES, MELHORAVA COM BUSCOPAN NA VEIA, OS MEDICOS DIZIAM QUE EU IRIA MELHORAR QUANDO COMEÇASSE A VIDA SEXUAL... NADA MELHOROU, DEPOIS QUE TIVE MEU SEGUNDO FILHO EM 1999, COMEÇEI SENTIR COLICAS MAIS FORTES, A DOR COMEÇAVA NO ''PÉ DA BARRIGA'' E PASSAVA PARA AS COSTAS, E PERNA, MINHA BARRIGA INCHAVA MUITO QUANDO ESTAVA MENSTRUADA, PASSEI A EVITAR FAZER SEXO, SENTIA DOR QUANDO FAZIA PEQUENOS TRABALHOS DOMESTICOS COMO LIMPAR A CASA, ANDAR, PEGAR ALGUM PESO ETC. COMEÇEI TOMAR MUITOS ANALGESICOS E ANTI INFLAMATORIOS, JA QUE NENHUM MEDICO DESCOBRIA O MEU PROBLEMA... EM 2006 FUI DIAGNOSTICADA COM ENDOMETRIOSE DE PAREDE ABDOMINAL, FUI SUBMETIDA A UMA LAPARATOMIA, PARA RETIRADA DE ENDOMETRIOMA, MAS HAVIAM VÁRIOS FOCOS ESPALHADOS, APOS A CIRURGIA COMEÇEI TOMAR HORMONIOS PARA IMPEDIR A MENSTRUAÇÃO E ASSIM IMPEDIR O CRESCIMENTO E SURGIMENTO DE NOVOS TUMORES, DURANTE 2 ANOS ME SENTI MELHOR, COM MENOS DORES, EM 2013 COMEÇEI A SENTIR UMA DOR MUITO FORTE NA REGIÃO DO FIGADO, MINHA BARRIGA INCHADA E MUITO DOLORIDA, ATÉ AO RESPIRAR EU SENTIA DOR, VOMITOS, DIARREIA, PRISÃO DE VENTRE, OS MEDICOS SUSPEITARAM QUE FOSSE A VESICULA, MAS NÃO ERA, NA ULTRASOM FOI CONSTATADO ALTERAÇÃO NO FIGADO, COMECOU MAIS UMA SAGA CONSULTAS, EXAMES E MAIS EXAMES, PAREI DE TOMAR O HORMONIO, VOLTEI A TER HEMORRAGIAS E DORES MAIS FORTES, E MINHA BARRIGA MUITO INCHADA SEMPRE, SURGIRAM VÁRIOS CALCULOS RENAIS NOS MEUS RINS, DEVIDO O EXCESSO DE MEDICAÇÕES, PASSEI A TER COLICAS RENAIS TAMBEM, HORRIVEL! REMEDIO , REMEDIO E MAIS REMEDIO TODO DIA O TEMPO TODO, EU NÃO ENTENDO PORQUE NÃO RETIRARAM MEU UTERO AINDA, ESTE ANO DE 2016 FOI O PIOR DA MINHA VIDA, DORES NA BEXIGA, DOR AO URINAR, DOR AO EVACUAR, DOR MUITA DOR NO RETO, DOR NA PERNA ETC. QUASE TODO DIA NO HOSPITAL, INTERNADA VARIAS VEZES, MAS SEMPRE ME MANDAM PARA CASA QUANDO AS DORES DIMINUEM POR CAUSA DO EFEITO MOMENTANEO DOS REMEDIOS, JA OUVI CADA UMA DE MEDICO, TEVE QUEM DISSE QUE EU SO ESTAVA QUERENDO ATESTADO, QUE EU ESTAVA COM MANIA DE DOENÇA, MANIA DE REMEDIOS ETC. ALGUNS ME TRATAM COM TOTAL DESCASO, GROSSERIAS, OUTROS NEM OLHAM NA MINHA CARA... NO DIA 04 DE DEZEMBRO DE 2016 FUI INTERNADA, FIZ MAIS TOMOGRAFIAS E ULTRASONS, OS MEDICOS DISSERAM QUE O ESTADO ERA GRAVE,SUSPEITARAM ATE DE CANCER, DISSERAM QUE HA MASSA ESTRANHA NOS MEUS OVARIOS, E MUITOS ENDOMETRIOMAS FORA DO UTERO E MIOMAS DENTRO DO UTERO, MAS NÃO TINHAM COMO ME OPERAR...FUI TRANSFERIDA PARA OUTRO HOSPITAL, FIZ MAIS EXAMES, COLOSCOPIA, ECOGRAFIA E RESSONANCIA, SUSPENDERAM A CIRURGIA POIS A SITUAÇÃO ERA MUITO GRAVE, NÃO HAVIA MEDICOS ESPECIALIZADOS NO MOMENTO, OS MEUS OVARIOS, UTEROS, BEXIGA E PARTE DO INTESTINO ESTÃO GRUDADOS, COLARAM, E ME DISSERAM QUE EXISTE UM GRANDE RISCO DE EU SAIR DO HOSPITAL COM BOLSA DE COLOSTOMIA. ESTOU USANDO ZOLADEX, DIMINUIU A DOR ANAL, E O INCHAÇO NA BARRIGA, MAS AINDA SINTO MUITA DOR, MAIS UMA VEZ ME MANDARAM PARA CASA, DISSERAM QUE VÃO ME LIGAR QUANDO FOR PARA FAZER A CIRURGIA, MAS A TE AGORA NÃO ME LIGARAM, ESTOU AQUI TOMANDO MUITOS REMEDIOS PARA CONSEGUIR VIVER UM POUCO, É MUITA DOR, HOJE FUI AO HOSPITAL NOVAMENTE, TOMEI TRAMAL NA VEIA, A ENFERMEIRA ME FUROU 5 VEZES ATE ACHAR UM ACESSO BOM. NÃO QUERO MORRER, MAS CONFESSO QUE AS VEZES PENSO QUE MORRER ATE SERIA BOM, POIS ACABARIA ESSAS DORES QUE SINTO, E EU TERIA PAZ, MAS DAÍ PENSO NOS MEUS FILHOS NA MINHA FAMILIA, MINHA MÃE E ENCONTRO FORÇAS PARA CONTINUAR, A FAMILIA DO MEU MARIDO E OS ANTIGOS AMIGOS DA IGREJA NÃO ACREDITAM EM MIM,ALGUNS ATE SE AFASTARAM, PARECEM ME ODIAR, FALAM MAL DE MIM, NÃO DÃO A MINIMA, MAS GRAÇAS A DEUS TENHO AMIGOS E FAMILIA DE VERDADE QUE SOFREM COMIGO E ORAM MUITO POR MIM, TENHO CERTEZA QUE ISSO QUE ME MANTEM DE PE

    ResponderExcluir