domingo, 4 de janeiro de 2015

O VERDADEIRO SIGNIFICADO DO ENDOMETRIOMA DE OVÁRIO!

No primeiro texto de 2015, o doutor Alysson Zanatta, especialista em endometriose da Clínica Pelvi, de Brasília, explica tudo a respeito do endometrioma a pedido da leitora Luciane Gonçalves, do Rio de Janeiro. O que realmente significa endometrioma de ovário? Ele poderá se transformar em câncer ovariano no futuro? Para quem tem endometrioma e quer engravidar, é aconselhável congelar os óvulos antes da cirurgia? O endometrioma poderá causar a perda da reserva ovariana da mulher? Ele é o causador de dor crônica pélvica? Qual a relação entre endometrioma e endometriose profunda? Um texto espetacular que vai sanar todas as suas dúvidas sobre este tipo de endometriose. E que venha 2015, um ano muito especial! Beijo carinhoso!! Caroline Salazar


Por doutor Alysson Zanatta 
Edição Caroline Salazar

O Verdadeiro Significado do Endometrioma de Ovário

O endometrioma de ovário é um cisto de conteúdo líquido, tipicamente “achocolatado” (Figuras 1 a 3), presente em cerca de 20% das mulheres com endometriose (1). Chama-se endometrioma porque em sua pseudocápsula são encontradas quantidades variáveis de glândulas e estroma endometrial, que se parecem com o endométrio (a camada interna do útero), porém com grandes diferenças. Os endometriomas ovarianos são facilmente diagnosticados por meio da ultrassonografia transvaginal, e, por esse motivo, muitas mulheres recebem o diagnóstico inicial de endometriose após a detecção do endometrioma à ultrassonografia, algumas vezes de forma incidental.


Figura 1 - Endometriose profunda com associação de endometrioma em ovário esquerdo. O ovário com endometrioma encontra-se quase que invariavelmente aderido à lesão de endometriose profunda, neste caso nos ligamentos largo e útero-sacro esquerdo (seta). Linhas pontilhadas demonstram duas lesões de endometriose profunda, sendo (a) aderida ao endometrioma e (b) como falha peritoneal (lesão de Allen Master) no fundo de saco de Douglas, a qual é a “ponta do iceberg” de uma lesão profunda.


Figura 2 – líquido achocolatado típico contido no endometrioma ovariano
Figura 3 –retirada da pseudocápsula do endometrioma ovariano com preservação ovário

Endometrioma ovariano significa endometriose profunda e doença avançada

E qual o significado da presença de um endometrioma em uma mulher que tenha endometriose? Seu principal e mais importante significado é que o endometrioma está associado à presença de ao menos uma lesão de endometriose profunda em 99% dos casos (1). Ou seja, um laudo de ultrassonografia (ou ressonância magnética) que mencione apenas o endometrioma ovariano tem 99% de chances de estar incorreto. Em minha experiência pessoal, ao longo de 10 anos tratando mulheres com endometriose, jamais tive a oportunidade de observar durante as cirurgias qualquer paciente que tivesse um endometrioma isolado sem outras lesões de endometriose profunda. O endometrioma ovariano surgirá apenas após o aparecimento de outras lesões na pelve, especificamente as lesões profundas. Portanto, o endometrioma ovariano é um marcador fidedigno da presença de endometriose profunda.

Além de ser um marcador de endometriose profunda, a presença do endometrioma sinaliza a existência de endometriose mais extensa e mais avançada. Banerjee e colaboradores (2) demonstraram que mulheres com endometriomas têm quase 7 vezes mais chances de terem endometriose intestinal quando comparadas com aquelas que não os têm. Em números absolutos, estes pesquisadores encontraram que 77% das mulheres com endometriomas tinham endometriose no retossigmoide (intestino). Da mesma forma, Chapron e colaboradores (3) relataram que mulheres com endometrioma tinham, além de um maior número de lesões de endometriose profunda, uma maior frequência de acometimento do ureter, da vagina, dos ligamentos útero-sacros, do intestino, e ainda uma maior chance de distorção anatômica severa.

Esses dados estão de acordo com os relatos de maiores dificuldades para remoção cirúrgica da endometriose encontradas naquelas mulheres que têm endometrioma. Dessa forma, não infrequentemente ouvimos que “o endometrioma (ou o ovário) foi retirado, mas o médico não mexeu em outras lesões porque havia muitas aderências”, ou que “havia muito risco de infecção”, ou ainda que “havia muito risco de lesão no intestino”. Isto se deve à “surpresa” de se encontrar extensas lesões de endometriose profunda nessas pacientes com endometrioma ovariano. Assim, torna-se um erro indicarmos uma cirurgia baseados exclusivamente no achado do endometrioma, e outro erro acreditarmos que encontraremos durante a cirurgia apenas o endometrioma demonstrado na nos exames de imagens. Costumo dizer que não existe cirurgia de endometrioma ovariano. Existe sim cirurgia para remoção de endometriose profunda com tratamento concomitante do endometrioma.

O endometrioma ovariano parece não ser o causador dor pélvica?

Curiosamente, parece que o endometrioma por si só não causa dor, isoladamente. Há menos fibras nervosas (responsáveis pela transmissão dos estímulos dolorosos) no endometrioma de ovário do que nas lesões de endometriose peritoneal ou profunda (4). De acordo com isso, a dismenorreia (cólica menstrual), por exemplo, parece estar mais associada à presença de endometriose nos ligamentos útero-sacros (o local mais comum de endometriose profunda) e no retossigmoide, do que à presença do endometrioma ovariano (5). Da mesma forma, já está demonstrado que a dor durante a relação sexual (dispareunia) está fortemente associada à presença de endometriose no fundo de saco de Douglas (espaço entre o útero e o retossigmoide) e ligamentos útero-sacros, mas não com os endometriomas ovarianos (6). Assim, se realizamos uma cirurgia em uma mulher com dor que tenha endometriose profunda e endometrioma, mas tratamos apenas o endometriomas, haverá grandes chances que sua dor persista, pelo simples fato de haver persistência das lesões de endometriose profunda.

O endometrioma ovariano causa redução da reserva folicular

Outra importante preocupação em relação à presença do endometrioma é a sua influência sobre a reserva folicular (óvulos) da mulher. Hoje, sabemos que o endometrioma é nocivo ao ovário. O ovário que tem endometrioma irá ovular com menor frequência, e a qualidade de seus óvulos possivelmente será inferior (7). Por outro lado, a remoção cirúrgica do endometrioma também pode ser nociva ao ovário (8,9), variando conforme a experiência da equipe cirúrgica. Estes dados embasam o grande dilema sobre a decisão de uma paciente que tenha endometrioma ovariano de ser operada ou não: se operamos, podemos estar reduzindo a reserva ovariana. Porém, se postergamos uma cirurgia que seja necessária, o próprio endometrioma poderá causar redução progressiva da reserva folicular. Assim, a decisão por cirurgia (e do melhor momento) pela mulher que tem endometrioma deverá ser mais criteriosa, fundamentada em sua idade, estimativa de reserva ovariana, e bilateralidade (ou não) dos endometriomas. Frequentemente, poderá ser aconselhado à mulher com endometrioma que faça congelamento de óvulos ou embriões antes de uma cirurgia, mesmo que os óvulos possam ser de pior qualidade, como ressaltado anteriormente.

Associação entre endometriose, endometrioma ovariano e risco de câncer de ovário

                A suspeita de uma associação entre endometriose e câncer de ovário é antiga. Sabemos que dois subtipos específicos de câncer de ovário, o câncer endometrioide e o câncer de células claras, parecem surgir especificamente a partir de lesões de endometriose atípica, que são aquelas  lesões que têm células com potencial maligno. Felizmente, menos de 3% das mulheres com endometriose têm endometriose atípica. Em linhas gerais, parece existir sim um aumento do risco de câncer, mas esse aumento é pequeno em número absolutos, algo como um aumento de 1,5% para 2,5% ou 3% (10).

Analisando subgrupos específicos de mulheres com endometriose, parece que esse aumento no risco de câncer é ainda maior naquelas mulheres que têm endometrioma ovariano, e naquelas que têm endometriose de longa data (10). Não sabemos se alterações celulares específicas do endometrioma ovariano é que causariam esse pequeno aumento no risco, ou se simplesmente seriam as demais lesões de endometriose profunda. De qualquer forma, os aumentos dos riscos são pequenos, e, dentro do grande universo de mulheres com endometriose, ainda não conseguimos identificar especificamente quais mulheres teriam esse risco aumentado, e que, portanto, se beneficiariam de uma remoção cirúrgica precoce. Assim, aguardamos novas pesquisas para maiores conclusões sobre o tema.

Tratar o endometrioma ovariano é desafiador

O tratamento do endometrioma ovariano é um dos mais desafiadores entre todas as lesões de endometriose. Isso porque estamos lidando com a reserva ovariana da mulher, o seu maior patrimônio. Em uma comparação simplista, por exemplo, nos preocupamos mais com o tratamento cirúrgico de um endometrioma ovariano do que o de uma endometriose intestinal, pois os danos ovarianos podem ser irreversíveis, ao passo que frequentemente conseguimos reparar eventuais lesões intestinais.

O endometrioma ovariano não costuma desaparecer espontaneamente. As pílulas anticoncepcionais podem ser efetivas em reduzir as chances de recorrência após a excisão cirúrgica, mas isoladamente não conseguem causar o desaparecimento dos endometriomas. Análogos de gonadotrofina (GnRH) podem causar redução do tamanho dos endometriomas, apenas para recorrerem após a sua suspensão. Há relatos isolados de desaparecimento do endometrioma com o uso do dienogeste (Allurene®), mas o significado clínico ainda é incerto, pois não sabemos se há resolução definitiva a longo prazo, e se isso se reflete em preservação da reserva ovariana e maiores índices de fertilidade.

O tratamento mais efetivo para o endometrioma ovariano é a sua remoção cirúrgica por laparoscopia. Isso não significa dizer que todas as mulheres com endometrioma precisarão de cirurgia. Ao contrário: como dito anteriormente, a indicação cirúrgica para essas mulheres deverá ser bastante criteriosa. E a indicação não deverá ser baseada exclusivamente no endometrioma, mas sim na presença de infertilidade e no potencial de preservação da reserva ovariana.

O raciocínio é simples: como são quase inexistentes as chances do endometrioma ovariano ser isolado, e como o endometrioma ovariano significa endometriose profunda, as decisões serão baseadas na  endometriose profunda. Primeiro, buscaremos entender o contexto clínico no qual se deu o diagnóstico do endometrioma: se há dor pélvica e/ou infertilidade, principalmente. Frente a um exame que mostra apenas o endometrioma, acreditaremos que o laudo está incompleto, e faremos esforços para entender a real extensão da endometriose antes de uma eventual cirurgia. Faremos isso com um minucioso exame clínico, especialmente o exame vaginal bimanual (exame de “toque””), e com um exame de imagem (ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal e/ou ressonância magnética pélvica) feito por um especialista. Não acreditamos na cirurgia “diagnóstica” (nota da editora: a laparoscopia diagnóstica). Acreditamos na cirurgia com o objetivo da remoção máxima da doença, caso a cirurgia seja necessária.

O tamanho do endometrioma praticamente não influenciará nossas decisões, mas sim a sua unilateralidade ou bilateralidade. Somos mais propensos a pensar em cirurgia quando a doença é unilateral, e mais expectantes quando a doença é bilateral. Ou, eventualmente, frente a um extenso acometimento ovariano bilateral, poderemos discutir com a paciente a possibilidade de remover as demais lesões de endometriose profunda e, propositadamente, deixarmos de remover (ou remover parcialmente) o endometrioma ovariano. E como isso é possível? Novamente, o endometrioma não parece ser causa de dor, e também não há evidências de que um endometrioma ovariano persistente após a cirurgia originará novas lesões de endometriose. Diferentemente do pensamento comum, a endometriose “não se espalha” na pelve a partir de outras lesões.

Considerações finais:

O endometrioma ovariano é um marcador de endometriose profunda, e de maiores chances de endometriose avançada com distorção anatômica. Praticamente não existe endometrioma ovariano isoladamente, pois ele invariavelmente vem acompanhado de outras lesões de endometriose. O endometrioma não parece ser causa isolada de dor pélvica, porém sua presença pode significar uma redução progressiva da reserva folicular ovariana. Parece haver um aumento relativo no risco de câncer de ovário a longo prazo, porém pequeno em números absolutos, e ainda indefinido para quais subgrupos específicos de mulheres com endometriose. Frente a um endometrioma ovariano, a decisão sobre seu tratamento não deverá ser feita de forma isolada, mas sim dentro do contexto da endometriose profunda.

Sobre o doutor Alysson Zanatta:

Graduado e com residência médica pela Universidade Estadual de Londrina, doutor Alysson Zanatta tem especializações em uroginecologia e cirurgia vaginal pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), cirurgia laparoscópica pelo Hospital Pérola Byington de São Paulo e doutorado pela Universidade de São Paulo, USP. Suas principais áreas de atuação são a pesquisa e o tratamento da endometriose, com ênfase na cirurgia de remoção máxima da doença. Seus inter­esses são voltados para iniciativas que promovem a conscientização da população sobre a doença, como forma de tratar a doença adequadamente. É diretor da Clínica Pelvi Uroginecologia e Cirurgia Ginecológica em Brasília, no Distrito Federal, onde atende mulheres com endometriose, e Professor-adjunto de Ginecologia da Universidade de Brasília (UnB). (Acesse o currículo lattes do doutor Alysson Zanatta). 

46 comentários:

  1. Muito esclarecedor este artigo. Até me deixou preocupada, pois mesmo eu que já fiz 3 cirurgias, sempre vivo assombrada pelo medo do que a doença pode me trazer ainda, que não vivi. Atualmente estou com um cisto hemorrágico, em um dos ovários. Ja retirei utero com adenomiose, trompas com hidrosalpingite e cisto numa delas e focos de endometriose atípica, na cavidade. Voltei a usar o anticoncepcional, pra ajudar. Dizer qeu não sinto dor, seria mentira. Mas agora, sinto bem menas dor, que antes. Feliz anovo queridos administradores. Rezo para que este ano eu não vá pra mesa denovo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendi porque vc ainda sofre com a doença, Vc não retirou Tudo? Já fiz uma cirurgia e estou a caminho de outra, acho que nessa vou querer tirar Tudo, tenho só 30 anos e nenhum filho.

      Excluir
  2. Fiz a videolaparoscopia, em seguida fiz uma inseminacao artificial para ter meu filho, mas apos o seu nascimento volteia tomar anticoncepcional para nao ter o sangramento, mas troco sempre a marca mas nao resolve, procuro um anticoncepcional q nao deixe eu sangrar porque tenho endometriose intestinal e sou acordada quase todas as noites com dor, tomo analgesicos mas com isso estou tendo problema no figado por uso exagedo da medicacao, o meu filho ja tem quase 3 anos, entao sao 3 anos de dor, porque com o meu figado prejudicado tenho dores fortissimas de cabeca, gostaria muito q alguem me indicase um anticoncepcional que nao deixase eu menstruae mais, bjs

    ResponderExcluir
  3. Olá, fiquei muito preocupada ao ler este post, pois em 2011 fui diagnosticada com endometrioma ovariano e faço acompanhamento anualmente e o mesmo não evoluiu e não há sinais de endometriose profunda... Desde este época, fiz ultrassons transvaginais em 4 clínicas e nenhuma delas detectou endometriose profunda... Pode haver erro no meu diagnóstico?

    ResponderExcluir
  4. Olá, em março fui diagnosticada com endometriose profunda, estou com três endometriomas no ovário esquerdo e um no direito. No final do mês irei fazer uma cirurgia no intestino, mas a princípio não irão mexer nos ovários. Mas estou preocupada, se o tratamento dos endometriomas não for cirúrgico qual outro?

    ResponderExcluir
  5. Minha tristeza é enorme, descobri a doença há dez anos. Já fiz três cirurgias, tirei uma trompa e ainda não tenho filhos. Fiz um ano de tratamento com o Allurene , porém, no último exame ... deu tudo novamente..... Endometriose profunda. Só Deus!

    ResponderExcluir
  6. Minha tristeza é enorme, descobri a doença há dez anos. Já fiz três cirurgias, tirei uma trompa e ainda não tenho filhos. Fiz um ano de tratamento com o Allurene , porém, no último exame ... deu tudo novamente..... Endometriose profunda. Só Deus!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada.. artigo extremamente esclarecedor li oque precisava saber, Parabéns Dr. pela competência e preocupação!

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Fiz uma tomografia computadorizada e fui diagnosticada com um cisto mas ainda não sei o tipo, e sinto muito dor nas costa de noite e quando respiro fundo!!! Dores na região pelvica tbm e no exame deu que o cisto está com 4,3 centímetros! Pode ser um cisto desse tipo citado a cima doutor?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie , fiz uma ultra som e descobri um nodulo ... a médicá me pediu uma tumografia e um cá 125 !! Os exames deram negativos e na tumografia não tinha o nodulo ... mas continuo sentindo dores :(

      Excluir
  10. Bom dia!sei que meu caso é cirúrgico mais não tenho condições de fazer está cirurgia no momento mas cinto mtas dores fortes.
    Estou com medo de virá coisa pior.
    Me ajudem por favor?

    ResponderExcluir
  11. Descobri a Endometriose faz 5 anos, antes disso fazia todos os exames todo ano e não mostrava nada.Quando resolvi parar o anticoncepcional para tentar engravidar, ela veio com força total, muitas dores, sempre tive cólicas mas quando parei o remédio ficaram muito mais intensas.Fui parar no hospital com uma crise de dor, fui opera de emergência, era um Endometrioma no ovário esquerdo, mas os médicos disseram que havia muito sangue parado na cavidade abdominal, tudo foi aspirado, no dia seguinte ouvi do médico que me deu alta "minha amiga sua endometriose eu clássico como violenta". Foi triste saber que se eu tivesse diagnóstico antes mudaria muita coisa, usei a tão temida injeção de zoladex por um tempo.Infelizmente 3 meses depois o Endometriona voltou e no mesmo ovário só que desta vez maior, fizemos ressonância e optamos por não operar novamente,pois era muito pouco espaço de tempo.Estou atualmente usando anticoncecional sem parar,mas para grande surpresa, este ano achamos um especialista em Endometriose, repetimos a ressonância e mesmo sem sangrar ela continua avançando,agora o endometrioma está maior e detectados focos no intestino, reto, útero e no outro ovário,fiquei chocada com a notícia,não pensei que estive pior.Vamos para videolaparoscopia novamente,agora mais confiantes que se Deus quiser tudo vai dar certo. Mas faz parte da vida de quem tem a endometriose,tratamento para o resto da vida e com surpresas nada agradáveis.

    ResponderExcluir
  12. Descobri a Endometriose faz 5 anos, antes disso fazia todos os exames todo ano e não mostrava nada.Quando resolvi parar o anticoncepcional para tentar engravidar, ela veio com força total, muitas dores, sempre tive cólicas mas quando parei o remédio ficaram muito mais intensas.Fui parar no hospital com uma crise de dor, fui opera de emergência, era um Endometrioma no ovário esquerdo, mas os médicos disseram que havia muito sangue parado na cavidade abdominal, tudo foi aspirado, no dia seguinte ouvi do médico que me deu alta "minha amiga sua endometriose eu clássico como violenta". Foi triste saber que se eu tivesse diagnóstico antes mudaria muita coisa, usei a tão temida injeção de zoladex por um tempo.Infelizmente 3 meses depois o Endometriona voltou e no mesmo ovário só que desta vez maior, fizemos ressonância e optamos por não operar novamente,pois era muito pouco espaço de tempo.Estou atualmente usando anticoncecional sem parar,mas para grande surpresa, este ano achamos um especialista em Endometriose, repetimos a ressonância e mesmo sem sangrar ela continua avançando,agora o endometrioma está maior e detectados focos no intestino, reto, útero e no outro ovário,fiquei chocada com a notícia,não pensei que estive pior.Vamos para videolaparoscopia novamente,agora mais confiantes que se Deus quiser tudo vai dar certo. Mas faz parte da vida de quem tem a endometriose,tratamento para o resto da vida e com surpresas nada agradáveis.

    ResponderExcluir
  13. Bruna F. dos Santos14 de abril de 2016 10:48

    Olá,estava buscando informações pois fiz uma videolaparoscopia para retirar um endometrioma de 10 cm e o ovário esquerdo junto e fiquei preocupada pois no texto do médico diz q quem tem endometrioma tem tb endometriose profunda e agora o q eu faço?

    ResponderExcluir
  14. Boa noite ...eu tenho endometrioma de parede ,proximo a cicatrix de Cesária.Alquem ja teve isso.Doi muito,principalmente na menstruação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi eu tbm tenho. Ele até incha na menstruação vou fazer uma ressonância pra ver se preciso operar

      Excluir
  15. Boa noite ...eu tenho endometrioma de parede ,proximo a cicatrix de Cesária.Alquem ja teve isso.Doi muito,principalmente na menstruação.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Oi, gostei do artigo, muito esclarecedor.

    ResponderExcluir
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  20. Muito esclarecedor esse texto. mas confesso que estou preocupada ha 10 anos sofro com problemas de endometriose e nunca encontrei solução para o problema.

    ResponderExcluir
  21. Olá, descobri o endometrioma no ovário direito a 1 ano, uma surpresa desagradável que me deixou sem chão, 20 anos, faculdade, trabalhando, noiva e com sonho que um dia na hr certa, ser mãe. Estou fazendo tratamento com Allurene ( por sinal super caro) no inicio sentia dores fortes, agora não sinto mais ( só quando estou com raiva ou estressada..) comecei a cuidar mais de mim intensifiquei na academia e outros esportes, excluir o glúten da alimentação, tento deixar meu dia menos estressante tenho buscar minha paz.. na primeira ultra estava com 8cm depois de 4 meses com Allurene diminuiu pra 4cm, amanhã (17/06/2016) depois de mais 6 meses de Allurene vou fazer outra ultra e espero que tenha reduzido ainda mais. Meu maior desejo é que tenha sumido totalmente, pra acordar deste pesadelo! Pq meu DEUS é Fiel e opera milagres.

    ResponderExcluir
  22. Tenho 35 anos e fui diagnosticada com endometrioma no ovário esquerdo no mês passado, porém estou ovulando normalmente e minha reserva ovariana é boa, mas não consigo engravidar. Estou tentando já há alguns anos, e como não conseguia e meus exames estavam todos normais, resolvi procurar um especialista, que detectou este endometrioma. Ele me sugeriu partirmos direto para uma fertilização, e através da gravidez, ele diminuiria naturalmente. Estou bastante confusa sobre o que fazer, então marquei consulta com outros médicos para ter outras opiniões. Alguém passou ou passa por situação parecida? Estou meio perdida, quero muito ser mãe!

    ResponderExcluir
  23. Eu tenho endometrioma no ovário esquerdo, fiz exames de CA 125, CEA e outros marcadores, estão dentro dos padrões. O ginecologista recomendou a cirurgia e tenho 34 ano com o sonho de ter filhos. Comentamos sobre preservação de folículos e disse que é algo que seria avaliado para na cirurgia mante-los preservados o máximo. É algo que me deixa confusa pois ele comentou da forma como o médico acima, de ser uma decisão conjunta entre médicos e paciente.

    ResponderExcluir
  24. Eu tinha um endometrioma no ovário esquerdo, e desapareceu com o uso do Allurene. Isso já tem quase 3 anos e nunca mais voltou a aparecer em exames. Graças a Deus não precisei de cirurgia.

    ResponderExcluir
  25. Boa noite!
    Sempre senti muitas dore no período fazia exames e nada,quando foi em janeiro fui internada com dor pois n estava aguentando foi ai que através de usg de abdômen total descobri um cisto q diagnosticado como hemorrágico,dai então começei a acompanhar com trans vaginal sendo diagnóstico de endometrioma tomei allurene 3meses o ginecologista pedido p parar p fazer estimulação p engravida mas n teve jeito n engravidei e o endometrioma passou de 4cm para 7.2,fiz cirurgia na quinta dia 28/07/16,estou aqui mim recuperando e p minha surpresa perdi o ovário direito,agora aguardar o próximo passo e que Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir
  26. Boa noite!
    Sempre senti muitas dore no período fazia exames e nada,quando foi em janeiro fui internada com dor pois n estava aguentando foi ai que através de usg de abdômen total descobri um cisto q diagnosticado como hemorrágico,dai então começei a acompanhar com trans vaginal sendo diagnóstico de endometrioma tomei allurene 3meses o ginecologista pedido p parar p fazer estimulação p engravida mas n teve jeito n engravidei e o endometrioma passou de 4cm para 7.2,fiz cirurgia na quinta dia 28/07/16,estou aqui mim recuperando e p minha surpresa perdi o ovário direito,agora aguardar o próximo passo e que Deus nos abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Simony, inicialmente o médico tmb achava que era cisto hemorrágico, porém ele não desaparecia, então concluiu ser endometrioma. Fiz a cirurgia 14/07/2016. Gostaria de saber se vc sente um pouco de dor, pq eu sinto.

      Excluir
    2. se quiser, podemos conversar por whats (42)99353023

      Excluir
  27. Oi, meninas! Gostaria de primeiramente parabenizar a Caroline pela oportunidade de lermos este texto fantástico, que nos esclarece muitíssimo.
    Minha história não é diferente, mas só o fato de podermos desabafar aqui já alivia o fardo. Menstruei aos 11 anos e nos anos vindouros de forma inconstante. Aos 16, com alteração de peso e muitas espinhas, descobri a Síndrome do Ovário Polimicrossístico e fiz tratamento com anticoncepcional. Os cistos desapareceram com o passar do tempo e parei de tomar a pílula. Aos 29 meu médico começou a desconfiar de que eu estava com endometriose pelos nódulos que ele sentia no exame de toque. Infelizmente, por um período enfrentei muitas dores dispersas na coluna, principalmente na região ilíaco-sacral e me foquei nesses problemas fazendo fisioterapia. Dores que só mais tarde percebi que só surgiam no meu período fértil, mal sabendo que parte do que eu sentia estava relacionado a uma endometriose profunda que está se espalhando em torno do intestino. Estou com vários endometriomas pequenos do lado esquerdo de até 2 cm, tomando dienogeste e com medo por não fazer a cirurgia, pois se por um lado fico tranquila pensando que a situação não está tão ruim, por outro, penso que antes operar agora do que deixar essa doença se espalhar pelo intestino. Meu médico está me monitorando de 6 em 6 meses para ver a evolução do tratamento. Já que sou solteira e sem previsão de ter filhos ele disse que a melhor coisa que posso fazer é esperar. O que vocês acham?

    ResponderExcluir
  28. Olá já tive endometriose em 2012 fiz a video e os médicos não quiseram fzr a cirurgia pq estava avançada estava no intestino ai optaram por tratamento,por 6 meses achei que estava tudo ok pq as colicas tinham sumido,mas com o tempo começou a descer um liquido alguns dias depois da minha menstruação ia nos médicos sempre diziam que estava tudo bem,e continuei insistindo com os médicos fiz novos ultrassom aparentemente não tinha mais a lesão da endometriose,e aos poucos as cólicas começaram a voltar mais não muito forte,e esse liquido que saia depois de alguns dia me preocupava e me incomodava,insisti com a médica pr fzr outro ultrassom e ai agora essa surpresa,cisto no ovário esquerdo com aspecto padrão endometrioma ai já fiquei preocupada de novo acabou meu sossego,o que devo fzr antes me tratei pelo convenio e agora pelo SUS sera que vou ter o tratamento adequado

    ResponderExcluir
  29. Olá,tenho 32,descobrir em junho de 2015 que tinha endometriose, perdi as trompas e o ovário direito, em menos de sete meses descobri que estava com endometrioma no ovário esquerdo, qndo fiz a cirurgia conversei com o médico para fazer a retirada de todo s os órgãos o reprodução fem. Já que tenho 2 flhas, não entendo como um especialista na área, sabendo que a doença voltaria não retirou logo o útero e o ovário esquerdo, estou apreensiva sinto muitas dores, não consigo fazer esforço sinto muitas dores na coluna, enjôo uma série de sintomas e vejo que terei que fazer uma nova cirurgia.

    ResponderExcluir
  30. Olá,tenho 32,descobrir em junho de 2015 que tinha endometriose, perdi as trompas e o ovário direito, em menos de sete meses descobri que estava com endometrioma no ovário esquerdo, qndo fiz a cirurgia conversei com o médico para fazer a retirada de todo s os órgãos o reprodução fem. Já que tenho 2 flhas, não entendo como um especialista na área, sabendo que a doença voltaria não retirou logo o útero e o ovário esquerdo, estou apreensiva sinto muitas dores, não consigo fazer esforço sinto muitas dores na coluna, enjôo uma série de sintomas e vejo que terei que fazer uma nova cirurgia.

    ResponderExcluir
  31. Olá, tenho 40 anos e descobri em novembro de 2016 que tinha um endometriona no ovário direito e focos no outro ovário. Sinto muitas dores desde a adolescência. Casei e comecei a tomar anticoncepcional, minhas dores pioraram, não descia sangue apenas um líquido marron e muita dor. Em 2009 detectaram cisto no ovário, encaminharam-me para cirurgia, porem não aconteceu. Abandonei os tratamentos pois sentia muita dor e hemorragia nos períodos menstruais. Em 2016 fui num geneticista e ele detectou o endometriona, mas cobrava horrores pela cirurgia, procurei outros e médicos, fiz a cirurgia em março de 2017, e as dores continuam. A tristeza por não ter eliminado essas dores é frustrante. O médico receitou o cerazette por 6 meses, mas ainda não tomei, pois li em alguns blog que a endometriose volta quando para de tomar. Meu desespero é maior por que as minhas chances de engravidar são zero, devido a baixa fertilidade do meu marido e agora com a cirurgia minhas reservas de óvulos também diminuíram. A angustia de saber-se sozinha pra sempre é contínua e desalentadora. A dúvida em seguir um tratamento que pelos comentários lidos, não serão recompensados é desanimador. Será que ainda vai surgir algo que nos livre dessa dor física e emocional?

    ResponderExcluir