domingo, 25 de novembro de 2012

O BLOG ESTÁ ENTRE OS TRÊS FINALISTAS DO PRÊMIO TOP BLOG BRASIL 2012!! OBRIGADA!!

Felicidade sem fim!! É com muita emoção e alegria que anuncio a todas minhas endoirmãs: o A Endometriose e Eu está entre os três finalistas do prêmio Top Blog Brasil 2012, na categoria saúde pessoal. Para conquistar este feito, fiz uma divulgação em massa no mundo todo. Para quem achava que este ato era de desespero, não era. Graças a Deus sou uma jornalista completa. Sou uma ótima repórter e a endo fez com que eu descobrisse minha poção assessora de imprensa. Foi a após o turbilhão endo, que passei também a fazer assessoria, nunca antes cogitado por mim. E aí aprendi como se faz uma boa divulgação. Assim, hoje uso esse precioso aprendizado para divulgar o blog e falar inglês e espanhol também ajuda e muito. Só assim sou capaz de me comunicar com mulheres do mundo todo. Ao saber do resultado senti uma emoção única, um frio no coração e ao mesmo tempo uma sensação gostosa por saber que estou no caminho certo. Ainda estou com lágrimas nos olhos e a primeira coisa que fiz foi ajoelhar ao meu altar e agradecer a Deus pela graça alcançada e aos meus santos protetores. No ano passado, quando não ficamos entre os finalistas, num dia triste, eu conversando com nosso Pai Todo-Poderoso, eu disse: "Não sei se vou inscrever o blog no ano que vem. Só doenças conhecidas que vencem." E a resposta foi: "Filha, não se desanime e você vai inscrever o blog no próximo ano, sim. E pode apostar que vai pra final, sabe por quê? Porque você terá muita ajuda neste desafio, a ajuda das mulheres que você está ajudado" E não é que aconteceu. E também porque só Ele sabe e só Ele vê tudo que acontece com seus filhos aqui na Terra. Então, Ele concede a graça que cada filho merece.

Agradeço a todas minhas endoirmãs do Brasil e do exterior que votaram no blog e que compartilharam meu pedido. Uma andorinha não faz o verão sozinha. E eu sei bem disso. Eu e o blog lutamos por uma causa, por todas as mulheres do Brasil e do mundo. Lutamos para que nossos governantes, em especial, a presidente, Dilma Rousseff, reconheça a doença como social e de saúde pública. E o A Endometriose e Eu foi o primeiro a reivindicar isso no país. O A Endometriose e Eu também foi o pioneiro em retratar a vida de uma endomulher e o primeiro a dar voz a outras mulheres. Eu não ganho e nem quero ganhar nada em cima das nossas dores. E Deus me deu a coragem necessária para expor problemas tão delicados em prol de outras mulheres. Ele também me deu o dom de transformar tudo que sentimos em palavras e essas palavras estão ajudando mulheres não só no Brasil, mas em todo o globo. Como eu não tenho nada preso com ninguém, eu coloco a boca no trombone mesmo. E acho que foi essa minha escolha que fez nosso Pai me escolher para tudo isso. Sim, eu fui sua escolhida para encabeçar a legião do bem em prol das portadoras de endo no Brasil e no mundo. Afinal, só no Brasil somos de 10 a 15 milhões e 176 milhões no mundo todo, segundo a ONU! Eu não vou descansar enquanto não cumprir esta missão quase impossível, mas já no caminho de transformá-la em possível, a qual fui agraciada.


Como Ele disse mil vezes pra mim, que só irá colocar pessoas do bem ao meu lado, eu sou muito grata por todas que estão ao meu lado. Para o grande dia, o dia D, da premiação, pensei em eleger uma de vocês para representar todas as leitoras do blog neste grande dia. Pensei numa pessoa que teria sido essencial para a tão sonhada classificação do blog. Para não ser injusta, pensei naquela que compartilhou diariamente o pedido, e assim, que atingiu um maior número de pessoas. E isso partiu dela, sem que eu precisasse pedir. Alia´s, nunca pedi nada a ela, tudo que ela faz é de coração, assim como eu. E por isso quero que nossa querida Rosimery Santos, do Rio de Janeiro, viaje até São Paulo para receber o prêmio comigo no dia 08 de dezembro. Por portarmos uma doença enigmática e desconhecida de muitos ginecologistas e da população, ainda não somos respeitadas como deveríamos ser, mas isso está com seus dias contados. O resultado do prêmio mostra que o caminho é longo, doloroso, mas a vitória é certa. E desistir, jamais! E sinto que ela está chegando. É só ser do bem e estar ao lado das pessoas certas, com a mesma energia que a nossa. Tudo no mundo carnal gira em torno da energia que vibramos. 

Ainda estou muito emocionada, mas sei que Deus não nos dá uma cruz maior do que possamos carregá-la. E mesmo ainda sofrendo bastante, eu agradeço a Deus por tudo que Ele deu-me nesta vida, inclusive, todo meu sofrimento e todas as lágrimas que chorei e que ainda choro. As de hoje é de felicidade! Obrigada, meu Pai por tudo. Obrigada por ter-me feito assim. Obrigada queridas endoirmãs pelo apoio, pela ajuda e pela confiança. Agradeço também a todos os meus amigos e familiares que ajudaram-me neste feito. A união faz a força e juntos somos mais fortes!  Este é o segundo ano que o blog concorre e é uma grande felicidade estar entre os três mais votados do voto popular. Se a voz do povo é a voz e Deus, então, vamos lá.. rsrs E a endometriose já começa a marcar seu nome no país. O próximo passo é o meu discurso para a Dilma Rousseff. Beijos com carinho!!



quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A ENDOMETRIOSE E NÓS - NOSSO GRUPO DE APOIO NO FACEBOOK!!


Um grupo do bem, com pessoas do bem e para o bem. Onde o amor, a caridade e a generosidade imperam acima de tudo. Onde todas poderão auxiliar umas as outras. Onde não existe quem sabe mais, quem é certo ou errado. Onde as dúvidas serão sanadas. Onde o choro se transformará em amor, as lágrimas em risos.  Assim é o A Endometriose e Nós, nosso grupo de apoio às mulheres com endometriose no facebook. Após tantos pedidos das leitoras, graças a nossa querida Rosimery Santos, o grupo está pronto e lindo.


No grupo, àquelas que suspeitam que tenham a doença também serão aceitas, mas só serão aceitas pessoas do bem e para o bem. A fé é a nossa palavra de ordem. Aos poucos, Jesus Cristo, nosso Pai, irá mostrar quem deverá continuar nele. É Ele quem me guia aqui na Terra e quem diz o que devo ou não fazer. Ele faz isso com seus filhos do bem e eu sou muito grata a Ele por tudo, em especial, a proximidade com minhas endoirmãs. 

Nós representa todas nós mulheres endoguerreiras, que somos as mulheres mais fortes do planeta. Sei que existe muitas outras guerreiras, mas usei como força de expressão "as mais", porque acima de tudo, ainda temos de lutar contra a ignorância humana de que a endometriose não é nada. Ouvi isso hoje e confesso que fiquei bem triste, pois muitas de Nós estão incapacitadas por conta da endometriose e as pessoas a nossa volta não entendem, acham que é frescura. O que escutei hoje foi: "Nossa tem muitas mulheres com câncer e outras doenças que conseguem trabalhar e uma com endometriose não?". Ouvir isso doeu meu coração, pois conheço apenas algumas das milhões de mulheres que se encontram debilitadas pela endo. A maioria é por conta das inúmeras cirurgias erradas que fizeram e acabaram por estragar ainda mais o corpo destas guerreiras maravilhosas.


E é para dar voz a todas as 176 milhões de mulheres com endo ao redor do globo que o A Endometriose e Eu existe. E não é à toa que já se tornou o blog mais lido e com mais seguidores no mundo todo. Obrigada Paizinho por sempre guiar seus filhos do bem em direção de uns aos outros. Não sei o que seria de nossas vidas sem sua sabedoria plena. Obrigada por sempre alertar-me dos perigos futuros, antes mesmo que eles aconteçam. Não sei o que seria de minha vida sem Você. Nossa vitória é certa e a cada dia que passa sinto que está mais próxima. Seja bem-vindos: http://www.facebook.com/groups/502335463133232 Beijos com carinho!!

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

COM A PALAVRA, O ESPECIALISTA DOUTOR HÉLIO SATO!!

Após o feriado prolongado do dia 15, onde celebramos a proclamação da República, e no meio de outro, para as cidades que comemoram o dia da Consciência Negra, nesta terça-feira, a “Com a palavra o Especialista” esclarece as dúvidas da leitora Edna Cris, de São Paulo, e do endo marido Rafael Engel, do Rio de Janeiro. Nesta edição, o doutor Hélio Sato vai falar sobre a laparotomia (a cirurgia aberta, a chamada cesárea, com corte) e a adenomiose e o Allurene. Aliás, por falar em Allurene, o artigo do lançamento desse medicamento no Brasil é um dos mais lidos do blog e um dos que mais tem comentários. A Hosana Santana, voluntária no blog e quem está respondendo aos comentários, fez um apanhado nos comentários mais impessoais deste post para que o dr. Hélio possa responder aos poucos neste espaço. Como eu nunca usei este medicamento, eu não sei na real como ele age no corpo. Eu só posso falar daquilo que ouvi na coletiva de imprensa dos médicos e da diretoria da Bayer, fabricante do Allurene, que fui cobrir em agosto, mas como uma boa jornalista e repórter, eu só acredito naquilo que eu vejo e vivo. Então, não tenho como responder essas dúvidas, por isso achei fantástica a ideia da Hosana em tratar de algumas questões aqui. Porém, no artigo anterior sobre o Allurene esqueci-me de colocar um ponto importante que foi abordado na coletiva de imprensa: os médicos presentes alertaram que mulheres com histórico de câncer de mama na família (como no meu caso, minha tia materna teve câncer de mama) devem evitar o tratamento com esse remédio, justamente por conta de um de seus efeitos colaterais: o aumento das mamas.

Outro dia revendo o bloco que anotei a coletiva li isso e senti a necessidade de compartilhar com vocês. Também já falamos dele na coluna na estreia do dr. Hélio SatoDeixo claro que cada tratamento reage de um jeito em cada mulher. Tudo depende de cada organismo. Para mim, o DIU deMirena parece um milagre. Eu mesma nunca estive tão bem em toda minha vida e eu gostaria que todas vocês pudessem se sentir tão bem quanto eu estou. Tenho dias de dores, sim, mas são dores leves, principalmente, quando desce a menstruação ou na semana que antecede esse período. Nada que algumas gotas de dipirona e ou de buscopan não resolvem. O importante é ter retomado minha qualidade de vida perdida há anos. Aproveito a pergunta da nossa querida Edna sobre a laparotomia e se vocês querem saber minha sincera opinião, eu acho uma cirurgia perigosa, principalmente, devido ao alto índice de aderências. Falo isso por experiência própria. Eu esse tipo de cirurgia para retirar meu cisto aos 15 anos (dissera-me ser cisto de ovário, mas já era endometriose), e, por conta dela e da minha de apêndice mais focos, nas minhas duas cirurgias eu estava sempre muito grudada por dentro. Portanto, recomenda-se apenas em casos extremos. Se a laparoscopia pode nos dar como consequência aderências, imagine a com corte. Quem quiser ter suas dúvidas esclarecidas pelo doutor Hélio Sato é só deixá-las aqui com nome, cidade e estado. Peço a gentileza de preencherem todos os campos.

Aproveito o post para dizer que qualquer forma de propaganda de sites em comentários, só serão aceitos mediante autorização da editora. Caso contrário, eles serão automaticamente excluídos. Agradeço a compreensão de todos. Por se tratar de um blog social, de ajuda gratuita, comentários desse tipo fogem da ética do blog. Quem quiser anunciar aqui, já que o A Endometriose e Eu é o blog mais lido do mundo sobre endometriose, é só entrar em contato comigo no e-mail carolinesalazar7@gmail.com. Às portadoras de endo, não se esquecem de preencher o Cadastro Nacional dasPortadoras de Endometriose. Só com ele poderemos comprovar que somos muitas, pois temos o direito como cidadãs de sermos reconhecidas pelos nossos governantes, em especial, da nossa presidente, Dilma Rousseff. Peço a gentileza de preencher todos os campos do cadastro, assim eles não precisarão ser refeitos. Tenho percebido que alguns estão incompletos e isso poderá dificultar futuros contatos. Nesta semana irei colocar novos pôsteres da primeira parceria internacional do blog. Veja o vídeo aqui e os primeiros pôsteres. Aproveito para agradecer a todos nossa marca histórica, que tão cedo pensei que o A Endometriose e Eu poderia ter: os mais de 240 mil acessos e os mais de 561 seguidores do blog e aos mais de 1100 fãs da página do blog no facebook mesmo e Beijos com carinho!!

– Tenho endometriose profunda com focos no intestino, ovários e atrás do reto. Foi-me sugerido fazer a cirurgia por laparotomia, devido aos muitos focos e aderências. Também tenho um cisto grande no ovário direto. Gostaria de saber mais sobre a laparotomia para endometriose e se esse tipo de cirurgia é feita nos dias de hoje? E também em quais casos ela é indicada? Edna Cris – São Paulo

Doutor Hélio Sato: As cirurgias de endometriose são feitas preferencialmente por laparoscopia, pois, as incisões são menores e com recuperação mais rápida. Porém tem custos mais elevados e não são todos os ginecologistas que têm experiência de tratamento de endometriose por laparoscopia, principalmente, aquelas profundas. Deste modo, se não há possibilidade de laparoscopia, o tratamento pode ser feito com a cirurgia aberta. A indicação da laparotomia é muito relativa e depende da experiência da equipe, da qualidade dos equipamentos, da extensão da doença e das co-morbidades como trombose venosa anterior, doença pulmonar, etc...


- Minha mulher tem endometriose e lhe foi receitado o Allurene. Além da endometriose, ela também tem adenomiose. Quero saber se esse medicamento é para todos os tipos de endometriose, inclusive, a adenomiose? Rafael Engel – Rio de Janeiro 

Doutor Hélio Sato: A adenomiose é a infiltração de endométrio no miométrio e com diferenças e semelhanças em relação à endometriose. E o tratamento pode ser a retirada do útero naquelas mulheres sem mais desejo reprodutivo e, por meio de medicação, naquelas que desejam preservar o útero. Dentre as possibilidades de medicação, os progestogênios são opções amplamente utilizados. Como o Allurene é um progestogênio, ele pode ser utilizado no tratamento. Porém, a resposta é variada e individual. Desta forma, é necessária a reavaliação da satisfação do tratamento após alguns meses.



Sobre o dr. Hélio Sato:



Ginecologista e obstetra, Hélio Sato é especializado e  endometriose e em laparoscopia. Ele tem graduação em Medicina, Residência Médica, Preceptoria, Mestrado e Doutorado em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo. É pesquisador principal de projeto regular da FAPESP.

Hélio Sato tem certificado em Laparoscopia pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e de Obstetrícia. É membro da AAGL (“American Society of Gynecology Laparoscopy”) e é membro associado da clinica GERA de reprodução humana. (Acesse o currículo Lattes do doutor Hélio Sato).

domingo, 11 de novembro de 2012

EU E O BLOG NO PROGRAMA "SER SAUDÁVEL", DA TV BRASIL!!

Neste sábado, dia 10, eu e o blog fomos personagens do “Ser Saudável”, da TV Brasil. Gostei bastante do programa, em especial, das considerações finais da dra. Camila, a quem concedi entrevista, e quando um dos especialistas falou da “abordagem global de tratar a mulher e não apenas a doença”. Mas também não concordei com algumas coisas, como por exemplo, quando o especialista disse que “dá para administrar muito bem a doença”. Quantas mulheres estão urrando de dores em suas camas? E a cada dia mais e mais mulheres descobrem que portam a doença. O único modo de começar a administrar bem a endo é quando existir no país o diagnóstico precoce. Para acelerar esse processo, o A Endometriose e Eu encabeça no Brasil a campanha de conscientização da doença, uma parceria entre Brasil, México, Panamá e Porto Rico (veja o vídeo da campanha e os primeiros pôsteres, ambos em espanhol), que vai se espalhar em todo o mundo. Outra coisa que não concordo é a questão dos exercícios físicos. É óbvio que praticar atividades físicas é maravilhoso para qualquer pessoa doente, até eu falei isso. Mas e quando a doença que você tem, como a endo, impede que você faça tais esforços físicos? É muita dor nas pernas. Eu que estou sem as dores fortes, não consigo fazê-los. A sensação de peso nas pernas, como se estivesse carregando um chumbo com elas e a dor na lombar, fazem com que muitas mulheres com endo (como eu) passem a ser vistas como preguiçosas. 

Quando eu volto a pé do trabalho, caminho cerca de uma hora e, quando chego em casa, gente, tenho de ir correndo botar as pernas pra cima, pois não aguento de dor e o pior, meus músculos, do meu corpo todo, latejam, pulam como se eles tivessem numa boate dançando techno. Por isso, eu falo: gostaria que todas as pessoas do mundo tivessem endo por um tempo. Só para sentir as dores que sentimos, porque falar faz isso, faz aquilo, é maravilhoso para quem não tem. E sentir essas dores, alguém acha que é bom? Ser taxada de preguiçosa para quem não sabe o que passamos é bom? Outra questão que é preciso muito cuidado é quando os especialistas falam sobre a psicoterapia. Se não for bem explicada, desculpe, é melhor não tocar no assunto, já que as pessoas leigas irão pensar que somos loucas e, por isso sentimos dor, ou é por isso que temos endo. Ainda bem que o programa exibiu a minha fala, onde disse que eu não era louca por sentir tantas dores. Gostei bastante do resultado final do programa. Foi uma abordagem verdadeira. Agradeço toda equipe do “Ser Saudável” pela escolha do tema. 

Quando dou uma entrevista, meu foco é sempre sobre a minha pior consequência: a dispareunia (a dor durante a relação sexual). A minha foi a pior delas, a de profundidade. Pior do que isso, só o vaginismo (onde a musculatura da vagina tem contrações involuntárias), mas graças a Deus, mesmo com o diagnóstico extremamente tardio, após sofrer 18 anos com fortes dores pélvicas, fui salva a tempo. Concedi essa entrevista em maio deste ano, um mês antes de minha segunda cirurgia (a tão abençoada!). Até então, eu não sabia que, muito em breve, eu teria o diagnóstico de que uma de minhas trompas estaria infértil. No dia seguinte da cirurgia, quando o dr. Hélio Sato disse que só uma delas (a direita) estava funcionando 100% (a esquerda, a danificada, estava grudada no meu reto), lembro-me até hoje do semblante triste dele. E acho que ele se assustou com o meu, pois eu não esbocei nenhuma reação e logo disse: “Dr. Hélio, eu sei que a infertilidade para muitas pessoas é considerada a pior consequência da endo e é muito triste mesmo, mas, para mim, ter filhos está ligado a outras coisas e não só a doença. Se eu tiver de ser mãe, serei, mas se não, não. O que eu quero é não ter mais tanta dor, é recuperar minha qualidade de vida e, principalmente, recuperar minha vida, voltar a trabalhar, a sair. E hoje, menos de 12 horas da cirurgia, estou tão bem, mas tão bem, sem nenhuma dor e é isso que eu quero.” Eu bato nesta tecla, pois conheço muitas, mas muitas mulheres que foram abençoadas com a maternidade, mas por conta da endo, não tiveram condições de cria-los. Ironia do destino?

Qual o tamanho da dor de uma mãe de não ver seus filhos crescerem? De não brincar com eles, de não levá-los ao parque, à praia. E quantas no Brasil e no mundo, das 176 milhões de mulheres com endo, já passaram e estão passando por isso? E como pensar em filhos, se muitas não estão sexualmente ativas, não têm libido? Não quero que levem-me a mal, mas quando Deus deu-me a inspiração e toda coragem necessária para falar de um assunto que ainda é tabu em nosso país, o sexo, Ele disse-me para eu seguir firme neste propósito e propagar esta minha dor (a dispareunia), pois muitas mulheres estão tirando suas vidas por conta disso.

Outro motivo que encheu-me de força para idealizar o blog foi propagar todo o aprendizado que adquiria semanalmente no ambulatório de endometriose da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). E também para que mulheres de todo o Brasil passassem a conhecer e a ter o melhor atendimento para endo, e o melhor, de graça, sem pagar um tostão por isso! É por isso que o A Endometriose e Eu foi o primeiro blog a reivindicar e a “dar a cara a tapa”, no caso a minha mesmo, pedindo que nossos governantes, em especial, nossa presidente, Dilma Rousseff, reconheça a doença como social e de saúde pública. Assim como no “Papo de Mãe”, também da TV Brasil, eu falei (até bastante!) sobre essa grande missão do blog na entrevista. E continuarei batendo nesta tecla (como sempre!), até essa missão tornar-se realidade. Só assim poderemos ter tratamento digno e humano em todas as capitais (pelo menos!) do país, como existe em São Paulo. Bom, para quem não viu ou para quem quer ver de novo, nossa participação no programa “Ser Saudável”. Aproveito para deixar o link da minha entrevista do "Hoje em Dia", da Record. Espero que gostem! Beijos com carinho!!




sábado, 10 de novembro de 2012

ÚLTIMAS HORAS PARA VOTAR NO BLOG, NO PRÊMIO TOP BLOG BRASIL 2012!


Últimas horas para votar no A Endometriose e Eu, no prêmio Top Blog Brasil 2012. Vote no blog pioneiro em reivindicar nossos direitos no Brasil e naquele que realmente faz a diferença. Vote no original e não aceite imitações! A votação vai até às 14h de hoje. Conto com vocês. Passo a passo aqui!! Ou então, é só clicar no selo do prêmio, que está à direita da página em dourado/ marrom, e seguir os passos. Cada pessoa pode votar com um email, com seu facebook e seu twitter. São três chances de votos. Conto com vocês! Juntas somos mais fortes!! Beijos com carinho!! 

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

ÚLTIMOS DOIS DIAS PARA VOTAR NO BLOG, NO PRÊMIO TOP BLOG BRASIL 2012!!

Você quer que a endo seja reconhecida pela nossa presidente, Dilma Rousseff? Então, vote no A Endometriose e Eu, no prêmio Top Blog Brasil 2012. Você tem até sábado, dia 10, às 14h, para votar.  Afinal, o A Endometriose e Eu foi o pioneiro no país a chamar atenção de nossos governantes para que eles reconheçam a doença como social e de saúde pública no Brasil. Vote no original e não aceite imitações.  É um voto por e-mail, um com o facebook e outro com o twitter. Se você tiver os três, vote com todos, pois assim teremos mais chances. É só clicar no selo do Top Blog Brasil, que está à direita da página piscando em dourado. Você será redirecionado à página do prêmio, onde terão as três opções de voto: e-mail, facebook e twitter. A primeira opção é o voto por e-mail, onde no primeiro espaço você vai colocar seu nome e sobrenome e, no segundo, seu e-mail. Você clica na seta votar, que está à direita na cor laranja. Na opção e-mail é necessário validar seu voto em seu próprio e-mail. Você vai receber um e-mail do prêmio Top Blog Brasil pedindo a confirmação de seu voto. Basta clicar no link do e-mail e pronto, seu voto foi validado com sucesso! Na sequência aparece o F do facebook. Clica na seta laranja, faça seu login e pronto. Voto validado com sucesso! Abaixo, vem o T do Twitter. Clica na seta votar, em laranja, faça seu login e clique no Autorizar Aplicativo. Pronto, seu voto foi validado com sucesso. Conto com a ajuda de todos em votar e, em especial, em compartilhar meu pedido entre seus amigos. Afinal, juntos somos ainda mais forte.

A Endometriose e Eu é o pioneiro no Brasil e no mundo em retratar a vida de uma endomulher. Foi o primeiro blog que deu voz a outras mulheres para contarem suas histórias com a doença e foi o primeiro a contar com esclarecimentos médicos de um especialista para tirar duvidas das leitoras. E eu fico muito orgulhosa em saber que minhas ideias estão sendo disseminadas por outros blog e grupos no Brasil e no exterior. Aproveitem para preencher o Cadastro Nacional das Portadoras de Endometriose. Precisamos comprovar que somos muitas e só assim será possível. Peço a todas que preencham todos os espaços, em especial, seus dados pessoais, pois estamos preparando muitas novidades às portadoras de todo país. E neste sábado também todo mundo ligado no programa "Ser Saudável", da TV Brasil, às 10h da manhã. Mais informações e todos os canais no Brasil e no exterior no post: http://aendometrioseeeu.blogspot.com.br/2012/11/confirmado.html Beijos com carinho!!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

CONFIRMADO! NESTE SÁBADO, DIA 10, ÀS 10H, O PROGRAMA DA TV BRASIL SOBRE ENDOMETRIOSE!!

Por conta da alteração da data do programa sobre psoríase, o "Ser Saudável" sobre endometriose foi adiado e será exibido neste sábado, dia 10 de novembro, às 10h. Peço desculpas a todos pelo transtorno, mas a produção não avisou sobre esta mudança. Hoje confirmei no site do programa que o próximo será sobre a endo. E para minha surpresa lá estou  na fotinha da chamada do programa, no parque da Aclimação,  um dos cenários em que gravei o programa em maio, um mês antes da minha segunda e abençoada cirurgiaSó fico com peninha, pois não irá mostrar como estou agora, bem, mas não tem problema, pois até então, vivi mais anos da minha vida com dores do que sem. São 21 contra 13. Não sei como conseguia fazer as coisas antes dessa cirurgia. Era muita dor, por isso, não se espantem com a minha cara! Porque hoje eu sei que até o meu semblante e a minha voz mudaram. Eram muitas aderências. E é impressionante como estou bem hoje. Com leves dores, claro, em especial, com dores nas pernas, sentindo-as pesadas, com cólica mais leve, mas feliz da vida em retornar às atividades normais de uma pessoa, sem sentir aquelas dores fortes e inexplicáveis! E isso já é uma vitória. 


Eu sendo entrevistada por Camila, que apresenta o programa, no parque da Aclimação, em São Paulo.

O programa tem duração de 30 minutos e vai mostrar o meu cotidiano com a endometriose e também o blog. Falei também sobre algumas das missões do blog, como o reconhecimento da doença como social e de saúde pública no Brasil por parte de nossa presidente, Dilma Rousseff. O programa é de veiculação nacional e passa nos canais 4 da Net, 116 da Sky ou na TV aberta nos canais 62 Analógico e 63 digital (confira todos os canais emtodo Brasil abaixo)Passei o dia todo gravando e adorei toda a equipe. Além da minha casa, gravei no parque da Aclimação, no salão fazendo as unhas (confesso, minha única vaidade), com a querida Janete, e no Espaço Carol Martini, na praça Benedito Calixto, onde encontrei com minha irmã, que vendia peças de sua marca lá, e com meu grande amigo Marcelo, DJ do espaço, e com quem geralmente saio para tomar uma cervejinha depois. Só não repare na bagunça do meu quarto! A intenção é mostrar minha rotina, mas na época minha rotina já estava meio bagunçada, como por exemplo, eu já não ia ao salão toda semana, mas era o que eu fazia até dezembro de 2011, quando estava trabalhando fixo como repórter da Hola! Brasil. Então, segui esta lógica da minha rotina. Espero que ele seja tão positivo quanto foram o "Papo de Mãe", também da TV Brasil, e o "Hoje em Dia", da Record. Estou ansiosa para assistir. Ainda mais quando se é jornalista. Porque eu vejo tanta abordagem errada da doença, que é uma decepção. Tem matérias que é melhor não sair, não é?

Mas eu acho que aos poucos iremos mudar isso e que esse programa será demais, porque eu falei também sobre o reconhecimento da doença como social e de saúde pública no Brasil. Além de ser o mais lido do mundo sobre endo, A Endometriose e Eu é o pioneiro em reivindicar que nossa presidente reconheça essa doença para termos direitos legais perante a lei, como outros portadores de outras doenças crônicas. Para isso continuem votando no blog, no Prêmio Top Blog Brasil 2012. Cada pessoa pode votar com um e-mail, o facebook e o twitter  Passo a passo aqui. Não se deixe enganar e vote no original. Beijos com carinho!!

Parabólicas em todo Brasil:

Canais abertos:

Curitiba -PR
canal 14

Rio de Janeiro -RJ
canal 2 analógico
canal 41 digital

Brasília - DF
canal 2 analógico
canal 15 digital

São Paulo - SP
canal 62 analógico
canal 63 digital

São Luís - MA
canal 2 analógico

TVs por assinatura:
SKY canal 116
TVA canal 181

NET (de acordo com o local)
Florianópolis- canal 2
São Luís, Curitiba, Belo Horizonte e Porto Alegre- canal 3
São Paulo, Santos, Ribeirão Preto, Manaus - canal 4
Campinas- canal 5
Maceió- canal 6
Campo Grande- canal 15
Brasília- canal 16
Rio de Janeiro- canal 18
Goiânia- canal 21
João Pessoa- canal 73

Tv Brasil Internacional:
América Latina: operadoras a cabo
Africa - canal 547 Multichoice
EUA: Canal 597 da DISH Network
Portugal: Canal 94 de TV a cabo e IPTV da operadora MEO TV
ATENÇÃO: é obrigatório por lei a oferta da TV BRASIL na programação das TVs por assinatura.
É possível também sintonizar pelo celular. Em SP o canal é 63.


segunda-feira, 5 de novembro de 2012

COM A PALAVRA, O ESPECIALISTA DOUTOR HÉLIO SATO!!

Nesta edição do “Com a palavra, o especialista”, o doutor Hélio Sato responde as perguntas das leitoras Viviane Guimarães, de São Paulo, capital, e Priscila Lisboa, de Criciúma, Santa Catarina. Gostei bastante das perguntas, pois as duas são dúvidas recorrentes entre muitos comentários do blog e também dos e-mails que recebo. É comum dúvidas em relação a tratamentos, ainda mais quando existe mais de um medicamento com o mesmo princípio ativo. Aí, que dá ainda mais nó em nossa cabeça. Por que seguir esse e não aquele tratamento? É bom lembrar que cada corpo reage de um jeito a cada tipo de tratamento. Até por isso não existe um único tratamento, uma única fórmula, um remédio certo, um milagre para a endo. Por isso hoje a coluna aborda a diferença entre o Mirena, o Allurene e o Cerazette? Bom, eu sou suspeita para falar, pois estou muito, mas muito bem com o Mirena, colocado durante minha segunda cirurgia. Sinceramente, eu recomendo este DIU. Se eu soubesse que eu teria uma vida que nunca tive antes, teria colocado-o em minha primeira cirurgia, em julho de 2010. Este tratamento é utilizado por especialistas no mundo inteiro, e eu questionei alguns desses médicos quando foi-me sugerido este tratamento, além de ser o melhor em custo-benefício. Aliás, no último dia 1° de novembro comemorei cinco meses de uma nova vida, de uma vida sem dores fortes. E isso tem sido uma alegria plena. Na verdade, a dor que sinto vez ou outra não chega nem aos pés das de antes. E como sou muito forte, para quem aguentou tanto, agora é fichinha! Já a outra pergunta é quanto à possibilidade de gravidez para quem têm endometriose em estágio inicial e quanto ao risco de uma gravidez ectópica

Ah, e lembrando que faltam apenas cinco dias para continuarem votando no blog, no segundo turno do Prêmio Top Blog Brasil 2012. Vote no A Endometriose e Eu na categoria saúde pessoal e ajude-nos no reconhecimento da doença como social e de saúde pública no Brasil. É o blog pioneiro não só em retratar a vida de uma portadora de endometriose e o primeiro a reivindicar os direitos de uma endomulher. Passo a passo aqui. Juntas somos mais fortes. Conto com vocês. E peço desculpas pelo ocorrido no ultimo sábado, dia 03, quando outro tema foi ao ar no programa "Ser Saudável", da TV Brasil. Segundo a Flávia, diretora de produção, o programa sobre psoríase foi adiado e, por isso alterou em uma semana o calendário inicial que ela havia me passado. Confesso que quando recebi os temas com as respectivas datas, fiquei meio receosa da data do dia 03 por conta do feriado de finados, no dia 02. Como muitos viajam, eu acho que poderia abranger um menor número de mulheres. O único pesar foi não ter me comunicado, mas ela ficou de confirmar tudo ainda hoje e, assim que souber, informo vocês. Já que está todo esse suspense, espero que esse programa seja esclarecedor. Beijos com carinho!!

1- Qual a diferença entre o Mirena, o Allurene o Cerazete? O que o Mirena e o Allurene fazem que o Cerazzete não faz? Viviane Guimarães - São Paulo - SP
Doutor Hélio Sato: As três opções de tratamentos são tipos de progesterona e, por serem sintéticas, recebem a denominação de progestogênios, que tem como ação principal, a inibição da multiplicação das células endometriais (as funcionais do útero), que são descamadas no período da menstruação e também participam na formação dos focos da endometriose. A principal diferença do Mirena® entre os outros dois citados é no modo que a progesterona é liberada. O dispositivo fica dentro útero e libera o levonorgestrel (um tipo de progesterona, vide figura abaixo). Com isso, sua ação fica centrada onde de fato interessa do ponto de vista terapêutico. Desse modo, conforme alguns estudos, esse tratamento alcança a eficácia na melhora da dor em torno de 90% a 95% das usuárias com endometriose. Já o Cerazette® é nome comercial do Desogestrel, mas, por ser administrada por via oral, além do seu efeito no endométrio, também pode ser percebida em outras partes do corpo como dor mamária, queda da libido e outros. E o Allurene® é o nome comercial do Dienogeste que é o mais novo progestogênio à disposição no Brasil e semelhantemente ao Cerazette®, é administrado por via oral e com efeitos próximos ao Cerazette®. Quanto à eficácia destas alternativas de modo genérico, os progestogênios de via oral melhoram a dor da endometriose em 80% a 90%, porém, cabe avaliar melhor o Allurene® comparando com outros progestogênios e não com os análogos de GnRH (Zoladex®, Lupron®, etc...), pois são classes distintas de medicação.


2 - Quais as chances de uma mulher com endometriose leve (inicial) engravidar? Existe a possibilidade de desenvolver uma gravidez ectópica?  Priscila Lisboa - Criciúma - Santa Catarina
Doutor Hélio Sato: As chances de gravidez de uma mulher com endometriose mínima (estádio clínico I) de modo genérico é próximo à de uma mulher sem endometriose, mas, o potencial reprodutivo deve contemplar outros parâmetros, faz saber, a idade materna, o espermograma, a reserva ovariana, funcionamento tubário, condição do útero, associação de outras doenças genéticas, trombofilias (predisposição à trombose), doenças autoimunes, etc.... Em relação à possibilidade de gravidez ectópica também é próxima de uma mulher sem endometriose, ou seja, 1% a 2%.


Sobre o dr. Hélio Sato:

Ginecologista e obstetra, Hélio Sato é especializado e endometriose e em laparoscopia. Ele tem graduação em Medicina, Residência Médica, Preceptoria, Mestrado e Doutorado em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo. É pesquisador principal de projeto regular da FAPESP.

Hélio Sato tem certificado em Laparoscopia pela Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e de Obstetrícia. É membro da AAGL (“American Society of Gynecology Laparoscopy”) e é membro associado da clinica GERA de reprodução humana. (Acesse o currículo Lattes do doutor Hélio Sato).

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

OS PRIMEIROS PÔSTERES DA PARCERIA BRASIL, MÉXICO, PANAMÁ E PORTO RICO!!"


Hoje começo a mostrar para vocês, os pôsteres da campanha em prol do diagnóstico precoce da endometriose. Esta é a primeira parceria internacional do A Endometriose e Eu que será responsável por esta campanha no Brasil. Estou aqui traduzindo todo material do espanhol para o português, para que muito em breve, ela possa se espalhar por todo país. Sim, é preciso espalhar a palavra endometriose, para que a doença passe a ser conhecida pelo que ela é de verdade e não apenas por aquilo que as pessoas acham que ela é. Não posso deixar de sempre agradecer à Eva Marina, da Associação Ibero-americana de Endometriose para uma Vida Plena, pelo convite e por acreditar em meu trabalho. Eu sempre disse que é preciso haver a união das 176 milhões de portadoras do mundo todo para que passamos a ser mais respeitadas por todos. A cada vez que assisto ao vídeo da campanha é uma emoção diferente.

Primeiro pelo fato de ver o logo do blog que será espalhado também no México, em Porto Rico e no Panamá. Depois, o fato de que não importa o país, todas nós, portadoras de endo, somos muito mal compreendidas não só pelos médicos, mas, principalmente, pela sociedade. A maioria passa por isso, pois raro é aquela que tem 100% de compreensão das pessoas que vivem a sua volta. Por isso, no vídeo, uma das frases do refrão da música "I believe in me" (Eu acredito em mim) é algo que sempre falei por aqui, é preciso nós acreditarmos em nossas dores e não as pessoas. Eu sei que é muito difícil, mas não se pode deixar levar pela ignorância humana em relação ao que as pessoas (que não tem a doença) falam para você. Não é fácil passar por isso, mas muitas vezes é preciso fingir-se de surda, de muda e até mesmo de morta para essas mentes ignorantes. Já recebi alguns emails de leitoras que, para continuar o tratamento, tiveram que romper com suas respectivas famílias e ou amigos. Não é fácil praticar isso, mas é necessário. Sei que muitas de vocês se encontram em depressão pela incompreensão familiar, dos amigos, do marido, do namorado, mas vocês não podem acreditar nessas pessoas que não sabem o que é sentir a dor da endometriose.

Graças a Deus, a endo está começando a ser abordada pelos meios de comunicação de massa e, com isso, mais pessoas passarão a conhecer melhor a doença. É impressionante como estou conhecendo mulheres com endo. Essa doença já está virando um surto no Brasil. E outra coisa comum entre a campanha e o blog é o fato de dizer que "Você não está sozinha" (No estás sola!), daí a primeira frase dos posteres. É muito comum uma mulher achar que é a única do mundo que sente dor, em especial as dores fortes, que não pode ter filhos, que só ela é mal-compreendida por todas as pessoas, mas eu sempre disse: você não está sozinha. Só no Brasil somos de 10 a 15 milhões de mulheres. É o país mais doente do mundo. E estamos aqui para ajudá-la a superar todos estes obstáculos. E dar este apoio, carinho é uma das missões do blog, e desta campanha. São 9 posteres, que serão colocados de três em três. Quando todo material em português tiver pronto, irei convocar mulheres em todo o país para nos ajudar nesta divulgação. Agradeço também a união do Panamá e de Porto Rico. Juntas, iremos espalhar esta campanha no mundo todo.

Ah, e se você quer que a endometriose passe a ser reconhecida pelos nossos governantes como uma doença social e de saúde pública, em especial, da nossa presidente Dilma Rousseff, vote no A Endometriose e Eu no Prêmio Top Blog Brasil 2012. Vote no original, não aceite imitações. Passo a passo aqui. A votação se encerra no próximo dia 10, sábado, às 14h. O A Endometriose e Eu é o blog pioneiro em tudo que os outros (especializados ou não) estão fazendo. E eu, a mentora por trás dele, sinto o maior orgulho de ser copiada por tantas mulheres. Meu cérebro é uma máquina ambulante de novas ideias, bom, para quem cria textos e estratégias de divulgação o dia inteiro no trabalho, ser criativa, diferente e inovadora são coisas comuns no meu dia a dia e na minha vida. Beijos com carinho!!
Endometriose é o crescimento do tecido endometrial fora do útero.
Cerca de 10% da população feminina em idade reprodutiva tem Endometriose.  Eu abro um adendo aqui e falo que esses 10% também atingem as adolescentes (assim como eu)

A Endometriose se comporta como um tumor benigno que sai do útero e pode chegar ao cérebro e aos pulmões.